/ Eu Você e Eles

23jul

Sem prazos ou compromissos

one-day-um-dia-filme

Anne Hathaway e Jim Sturgess em cena do filme Um Dia, de 2011

[Você pode ler esse texto ao som de Deadlines And Commitments, do The Killers ♫]

Quando você foi embora eu não tive reação. Não briguei, não chorei, apenas deixei uma música para você escutar. Não pedi resposta depois da indicação da música, não queria um comentário, não esperava nada. Meu único pedido era que você escutasse aquela música do The Killers que falava de uma pessoa triste.

A música não funcionava como um aviso ou um pedido de socorro. Ainda não sei se você conseguiu prestar atenção na letra enquanto dirigia por quilômetros, mas ela falava de mim, sabe? É aquela carta que eu nunca te entreguei. Aquela música que foi escrita só para aquele momento e talvez você nem tenha percebido.

A música falava por mim, cada frase havia sido escrita para aquele momento. Era tão estranho, mas casava tão bem com a sua ida. Às vezes eu penso que você só foi embora para que eu pudesse usar aquela música em algum momento da minha vida. O engraçado é que eu não pensei nela antes disso, me veio à cabeça, assim do nada e eu resolvi indicar pra você.

Sem prazos ou compromissos, esse era o tema da canção. Eu te entregava todo o restante de todo o meu sentimentalismo com aquela letra, pois nunca pediria pra você voltar, nunca diria que nessa casa tem um lugar pra você. Parece que toda a minha covardia acabava enquanto te enviava aquela música, por isso que a usei. Com ela, eu acabei entregando um dos meus bens mais preciosos: minhas lembranças.

A música não surtiu o efeito desejado, mas eu já sabia que isso aconteceria e hoje quando a escuto lembro que ela é sua, que nunca foi minha, ela sempre foi pra você. Foi escrita pra você. É como se Brandon Flowers tivesse pensado em tudo.

Anos depois de te enviar essa música, como minha última tentativa de estar com você, pensa o quanto isso foi importante pra mim. Eu acreditei que a letra de uma música pudesse te trazer de volta. Não aceitei minha derrota e pensei que essa música dizia tudo que eu queria dizer e assim não precisava falar mais nada.

I’m not talking about
Deadlines and commitments
Sold out of confusion
There is a place
Here in this house
That you can stay

E depois disso não falei mais nada. Depois dessa música nunca mais nos falamos. Olhando para trás ainda acredito que a canção disse tudo que eu queria dizer no passado. E que hoje não precisamos falar mais nada.

*Esse texto faz parte do projeto “Eu, Você e Eles“.

 

16jul

Você foi aquela pessoa

Postado por às em Amor, Eu Você e Eles, Relacionamento
jude-law-closer

Jude Law em cena do filme Closer, de 2005

[Você pode ler esse texto ao som de The Blower’s Daughter, de Damien Rice ♫]

Não sei quanto tempo demorei para perceber isso, mas chegou um momento em que me dei por vencido e concordei com aquilo que me perseguia a tempos: você foi aquela pessoa.

Nós teremos várias pessoas em nossa vida, porém uma delas é a pessoa certa e um dia a gente sempre sabe disso. Teríamos muita sorte se isso fosse recíproco, se quando encontrarmos a pessoa certa, ela também nos encontre. Mas se não foi assim, carregaremos aquela pessoa em nossos ombros por onde andarmos e viveremos “com ela” para sempre. A vida é exatamente assim, eu acho. Ganhamos, perdemos e continuamos a jogar.

Demorei para perceber que você é aquela pessoa que minha alma escolheu para compartilhar tudo. Na verdade só percebi isso quando você estava há quilômetros de distância de mim, quando o “nós” não existia mais, (na verdade ele existia – ou ainda existe – apenas dentro de mim). E agora era só eu, você e eles.

Eu vivendo minha vida, você vivendo a sua e eles tentando encontrar alguém, até o dia que esbarrarão em nós. Formaremos pares sim, pois eu não me fecharei para o mundo. Afinal, eles estão por aí a procura daquela pessoa que pode ser eu. E mesmo que eles não sejam a minha pessoa eu posso tentar. Não será difícil.

É estranho chegar a uma conclusão dessas, mas hoje eu sei que a minha pessoa não é exatamente minha, ela é de outro. Eu poderia te odiar por isso, odiar tudo que passamos e todo esse meu sentimentalismo, mas eu dou sorrisos enquanto penso em ti. Afinal, foi você que eu, sem querer, escolhi para amar.

Por muito tempo tive você como o objeto ausente na minha vida, como aquele ser que não existe, mas continua ali, me espreitando e me acompanhando por todos os lados. Só que hoje eu aprendi a lidar com isso e mesmo não deixando de te amar eu consigo ser feliz com outros. E sabe, eu não os amo de uma forma diminuída. Eu posso amar bastante e ainda assim consigo te carregar comigo. Não me canso, sabe?

Quando penso sobre isso, eu imagino o quão sortudos são aqueles apaixonados que encontram sua pessoa e são encontrados ao mesmo tempo. Tipo encontrar sua metade, ou sei lá como as pessoas chamam isso, pra mim seria como ganhar na loteria. Eu estaria rico.

Essa não é uma história triste, não é um drama. Se eu fosse categorizar essa minha história com você, diria que é um romance. Nada muito épico, sabe? É tipo aqueles filmes que são feitos para a TV fechada, eles passam despercebidos por uns, mas aquece o coração de outros.

O mais importante disso tudo é que eu estarei pronto quando eles chegarem, pois já aprendi a lidar contigo e quando isso acontecer você será apenas um dos meus demônios.

*Esse texto faz parte do projeto “Eu, Você e Eles“.

15jul

Eles nunca disseram eu te amo

o-segredo-de-brokeback-mountain-filme

Heath Ledger e Jake Gyllenhaal em O Segredo de Brokeback Mountain, de 2005

[Você pode ler esse texto ao som de The Troubles, do U2 com Lykke Li ♫]

Se você pergunta se foi amor, para qualquer um dos dois, aposto que eles darão ombro naquele clássico símbolo do “não sei”, às vezes não foi e eles não souberam lidar com a intensidade daquilo, e às vezes foi e eles nunca dirão. Se foi amor e acabou a derrota é maior? Existe derrota?

Eles se conheceram completamente por acaso, não foi amor a primeiro vista, foi amor antes da primeira vista. Eles conversaram, antes de se encontrar, sabendo que ficariam juntos. Já existia algo que unia aquele dois, que fazia deles um casal. Não era sexual, não era carne, era um tipo de reciprocidade diferente.

Aposto que se cada um deles contar essa história pra vocês, ela será escrita de forma completamente diferente. Um deles lembra todas as datas, assim de cabeça. Enquanto o outro é um esquecido, não se lembra de nada, mas não liga pra isso. Eles são os diferentes que se apaixonaram.

Não sei dizer pra vocês quanto tempo durou essa paixão, mas ela foi recíproca. Os dois se gostavam muito, passavam dias juntos de conversas sobre amenidades, passavam noites juntas dividindo o mesmo cobertor. Mas eles nunca juraram amor eterno, nunca prometeram um futuro para o outro, nunca deram mais que aqueles momentos juntos. Se você perguntar para os dois, eles dirão que isso foi o bastante.

Parece que eles não esperavam um “eu te amo” vindo da outra boca, só esperavam sorrisos e beijos, e isso tinha de montes. Quando se encontravam ficavam segundos se olhando antes de dar um abraço e pensavam, enquanto se encaravam, que aquilo conectava suas almas. Sabe quando a gente mata a saudade da alma antes de matar a do corpo? Era assim em todos os encontros deles.

Hoje eles não estão mais juntos. Talvez pensem carinhosamente um no outro, talvez se odeiem em segredo. Prefiro acreditar que eles ainda se gostam. Alguns dizem que o amor pode virar ódio, mas e o “não amor”, se transforma em que?

Essa é a história de um casal que se gosta em segredo, mas que não deu certo. Eles não sabem se foi amor, eles não sabem de nada e de tanto não saber, desejaram ficar separados.

Eles nunca disseram “eu te amo” um para o outro.

02jul

Você reclama que está sozinho, mas isso é o que mais quer

julia-roberts_e_jude-law_closer-pertodemais

Julia Roberts e Jude Law em cena do filme Closer, de 2004

Na semana passada eu escrevi aqui no blog, pegando o filme Medianeras como exemplo, sobre como usamos a internet para nos relacionar (veja aqui) e como falhamos em quebrar nossas próprias medianeras e viver sem elas. E hoje estava no Twitter e vi uma frase famosa: “frio e cobertor, só falta o mozão“, que poderia se trocada facilmente por “calor e cerveja, só falta a companhia“, se estivéssemos no verão. Eu nunca cheguei a postar coisas assim, não por que nunca estive carente e sim por não querer tornar público a minha carência. Nesse ponto gosto de ser mais reservado, faz parte do meu jeitinho.

Se você olhar para o seu grupo de amigos, verá que vários deles querem um “mozão”, uma companhia para beber cerveja, alguém para preparar um almoço ou uma pessoa legal para dividir a conta num jantar. Pergunta aí para a pessoa do seu lado. Ela quer? Eu acho você também quer. Eu quero! E aquela pessoa que senta ao meu lado no trabalho também. Um amigo meu quer, mas ao mesmo tempo ele quer ser livre, não quer um compromisso.

O ser humano é um animal tão sem sorte que consegue querer, ao mesmo tempo, duas coisas completamente distintas. Ele quer estar junto e quer ser livre. Quer ter uma companhia e não quer ter um compromisso. E esse medo do compromisso faz com que a gente (eu também, tá?) fuja daquela pessoa que possa querer algo sério.

Esses dias escutei de uma pessoa uma frase que me deixou bastante pensativo, a frase foi: “Sempre que vejo que vou me apaixonar por alguém, eu vou embora. Não consigo lidar com isso“. As pessoas tem tanto medo de sofrer que acabam adiantando o sofrimento, bizarro né? A gente sofre para não sofrer e chora para não chorar. As pessoas estão fugindo com medo do amor. Como fomos chegar nesse ponto?

A Jout Jout falou sobre isso em um dos seus vídeos, eu adorei e me vi muitas vezes ali. Eu não sou (ainda) aquele cara que não tem medo. Eu ainda tenho muito medo. Imagina que eu vou colocar tempo, que é o meu maior bem, em uma pessoa que ainda me deixa com dúvidas? Eu tenho sim medo de sofrer e isso me deixa longe de relacionamentos. Isso me faz acaba-los antes mesmo de começar.

Me fala, quantos primeiros, segundos e terceiros encontros você teve que foram legais? Eu tive alguns e não deram em nada depois, em alguns eu tentei em outros não. Fiquei parado, fiquei pensando, fiquei com medo.

O fato é que nós estamos cada vez mais reclamando de passar frio sozinho ou de não ter ninguém para dividir a cerveja no calor e não estamos fazendo nada para isso mudar, pois queremos nossa liberdade. Foda né?

Será que a liberdade pode existir quando estamos juntos? Ou ainda, o medo deixará de nos atrapalhar? Isso parece tão bobo no texto, mas é tão sério na vida.

24jun

Medianeras, aplicativos e relacionamentos

Postado por às em Amor, Eu Você e Eles, Filmes, Música
medianeras-filme-relacionamentos-texto

Pilar López de Ayala e Javier Drolas em cena de Medianeras, de 2011

[Você pode ler esse texto ao som de True Love Will Find You In The End, do Daniel Johnston ♫]

Já conversei com vocês aqui no blog sobre o famoso (ou nem tanto) segundo encontro, que às vezes nem acontece, e também sobre como lidamos com nossos relacionamentos (bem no estilo “metade cheio ou metade vazio?”), mas agora queria falar sobre um assunto que todo mundo tem medo de botar na mesa, ou no blog.

Acho que a internet é um meio de comunicação incrível. Eu posso estar longe de você, mas consigo me sentir perto, pois estou a um clique de te enviar uma mensagem, uma foto, um vídeo ou um áudio. É pratico, é fácil e funciona bem para a nossa geração. Mas e quando atrapalha? Quando você coloca todas suas fichas nas interações online e esquece o resto?

Sempre que penso nisso eu me lembro de um dos filmes que estão no meu coração, o argentino Medianeras. Ele conta a história de Martin e Mariana, ele é um designer que trabalha em casa e leva uma vida bem passiva, já ela é uma arquiteta frustrada e com problemas de relacionamento. Enquanto os dois levam suas vidas, com problemas de pessoas normais, usam a internet para se relacionar.

javier-drolas-as-martin-in-sidewalls-2011-1

Agora você me pergunta “qual o problema em usar a internet para se relacionar?” e eu te respondo “nenhum”, pois Martin e Mariana ainda saem na rua, bebem, vão a bares e etc., mas seus encontros estão vinculados aos chats online. Enquanto Martin sabe muito bem como funciona esse mundo (a pessoa é diferente da foto, vai falar muito sobre si mesmo e etc.), Mariana ainda é novata. Eles moram no mesmo bairro, em prédios um de frente para o outro (na verdade é um atrás do outro), separados apenas pela medianera de cada prédio. Eles se cruzam, mas não se encontram e começam a conversar online.

A história do filme é incrível e o final vai deixar você cheio de sorrisos, mas isso não costuma acontecer na vida real. No filme de Gustavo Taretto (spoiler do filme), os personagens acabam enfrentando alguns de seus medos e se encontram na rua, por acaso e vivem. Mas e nós? O amor verdadeiro vai nos encontrar no fim? Como diz Daniel Johnston na letra de True Love Will Find You In The End?

pilar-lopez-de-ayala-medianeras

Esses dias eu parei de usar todos os aplicativos (Tinder, Happn…) e pensei “e agora?”, será que espero que a história de Medianeras aconteça comigo? Será que volto para os aplicativos?

Conhecer alguém novo está a um clique, você entra no Tinder e começa. É fácil, as pessoas estão lá (dispostas ou não) e querem o mesmo que você: conhecer alguém novo, ter uma experiência nova, ter uma companhia para beber, fazer sexo ou tirar um pouco da carência. E pode acreditar você tem muitas opções. Você pode não querer sair de casa (nem eu), mas as pessoas estão lá nos aplicativos. E mesmo assim estamos solteiros, presos olhando para a nossa medianera.

Eu sempre acho que o problema nunca está no meio e sim em como lidamos com ele. No caso do filme Medianeras, a história de Martin e Mariana começa a mudar quando eles criam uma janela nova no apartamento. Eles quebram a medianera e se “encontram pela primeira vez”. Pode parecer boba essa cena (no vídeo abaixo), mas eu adoro a forma como o diretor usou isso. Ele mostrou que você precisa dar o primeiro passo, que só você pode fazer as coisas acontecerem, independente do meio que usa para se comunicar.

Acho que todo mundo deveria quebrar sua medianera interior, não só para o amor, mas para a vida.

Medianera é uma palavra em espanhol, é algo que está no meio de duas coisas. Sabe aquela parede dos prédios que não tem janela? Isso é uma Medianera.

*Esse texto faz parte do projeto “Eu, Você e Eles“.

Plugin creado por AcIDc00L: key giveaway
Plugin Modo Mantenimiento patrocinado por: posicionamiento web