/ Filmes

04ago

O que os filmes podem nos ensinar sobre relacionamentos

still-of-jude-law-and-natalie-portman-in-closer--perto-demais-(2004)-large-picture

Natalie Portman e Jude Law em cena do filme Closer, de 2004

Sempre que alguém me pergunta qual meu gênero favorito de filmes eu respondo sem pensar: é o drama! Claro que eu adoro filmes de heróis, gosto muito de ficção e fantasia, mas tenho um amor muito forte pelo drama, pois é o gênero que chega mais perto da vida real, é aquele que mais se assemelha a nossa vida. Acredito os filmes dramáticos são as maiores verdades da vida.

E dentro do gênero drama, a categoria que mais gosto é relacionamento. Os filmes contam as nossas histórias amorosas, mostram nossas vidas na tela, apresentam personagem que já vivemos, eu acho isso tão incrível. E de tanto assistir filmes sobre relacionamentos eu acabei aprendendo algumas coisas e vou tentar dividir com vocês.

closer-filme

1. Não se ache o melhor mentiroso, pois alguém pode mentir mais que você.
No filme Closer, o personagem de Jude Law acredita que é o melhor mentiroso do mundo, porém ele descobre que Alice, vivida por Natalie Portman mentiu pra ele o tempo todo. Ele descobre que pouco do que ela disse, fora o sentimento que viviam, era verdade. O final do filme nos apresenta um Dan completamente despedaçado ao confrontar uma pequena verdade dentre tantas mentiras.

ponte-aerea_filme

2. Se quiser dizer eu te amo, diga!
Em Ponte Aérea, filme lançado esse ano, conhecemos a história de Amanda e Bruno, personagens de Leticia Colin e Caio Blat. O casal se conhece por acaso e entra numa relação forte e bastante fugaz, eles começam a fazer parte um da vida do outro até que notam que não tem nada em comum, porém até quando isso importa? O filme fala sobre nossa relação imediatista das coisas. Na história o casal vive uma fase de amor, porém sem nunca dizer a palavra “eu te amo” e quando tudo já acabou e, talvez, o sentimento não existe mais, eles se perguntam “por que nunca dissemos eu te amo um para o outro?”.

brilho-eterno_filme

3. Nunca tente esquecer ninguém a força, términos levam tempo e você tem que respeitar isso.
Olha só um dos meus filmes favoritos sendo tema de post no blog novamente e com uma das dicas que eu mais levo a sério. Na história de Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças, o personagem de Jim Carrey tenta, forçadamente, esquecer Clementine (a moça do cabelo colorido da Kate Winslet) após ela pagar uma empresa para esquecê-lo. Mas quando as memórias da amada começam a desaparecer, ele se arrepende e começa a colocá-la em várias situações de sua vida, sem saber que ela não estava em algumas delas.

begin-again-filme

4. Não deixe o sucesso subir a cabeça, chega um ponto em que você pode se arrepender.
Um dos filmes mais legais que vi ano passado já foi tema de post aqui também. A trama de Mesmo Se Nada Der Certo pode ser bobinha se você não passar da sinopse, mas se der uma chance para o filme não vai se arrepender. Na história temos a personagem da Keira Knightley, uma cantora e compositora que acompanha seu namorado Adam Levine até Nova Iorque, onde ele será lançado como cantor, ao atingir o sucesso ele muda radicalmente e acaba deixando a moça desamparada. Porém, como toda moeda tem seus dois lados, ele acaba se arrependendo ao notar que seu amor não está nas letras que está cantando. O filme não é sobre o personagem do Adam Levine, é uma história de recomeço da personagem de Keira Knightley e de um produtor musical falido vivo por Mark Ruffalo.

oladobomdavida-filme

5. Não deixe que o problema seja maior que seu relacionamento
Eu amo o filme O Lado Bom da Vida, é uma das “comédias românticas” mais legais que assisti nos últimos tempos. O filme conta a história de Tiffany e Pat, vividos pelos talentosíssimos Jennifer Lawrence e Bradley Cooper e nos apresenta uma lição de vida ótima. Sabe quando estamos com aquele problema que parece ser o fim do mundo e o colocamos no meio das nossas vidas, entre tudo e todos? É esse problema que Tiffany e Pat. Na trama do filme acompanhamos como eles lidam com esses problemas e como conseguem driblar de uma forma incrível, com bom humor, com esperança e união, esses problemas. A maior lição do filme é o fato de que seu relacionamento pode ser maior que seus problemas e isso é incrível, não é?

30jul

Os 4 filmes mais superestimados dos últimos tempos

Postado por às em Filmes

CUPCAKE

Ontem conversando com o Jader e inspirado num post no grupo de cinema eu resolvi fazer uma lista dos 4 filmes que eu acho superestimados, essa lista certamente vai gerar uma confusão, por que né? A percepção e gosto de cada pessoa é totalmente variável e não reflete a opinião do mundo inteiro, ou seja, não me venham com 5 pedras nas mãos, afinal é só mais um post com intuito de entreter e obviamente reflete a minha opinião, que pode ou não bater com a sua. Lembrando também que o fato de eu achar superestimado não significa que eu acho o filme ruim, ok?

whiplash

Whiplash – Eu vi o trailer antes de algum outro filme e me encantei, não me aguentava de ansiedade para ver essa história, ainda mais com tantas críticas positivas, chegou a data do lançamento e eu fui com o boy assistir, achei muito interessante, visceral – palavra que muitos usaram para definir o filme. Eu acho que o filme traz muita identificação pois quem nunca teve um chefe parecidíssimo com o professor? Me reconheci ali, mas aquilo ali não foi nada de excepcional, foi um bom filme, mas nada mais que isso.

interstella-gif-

Interestellar – Um mega boom de publicidade e críticas positivas me fizeram entrar no cinema para ver Interestelar, um longa (bota longa nisso!) cheio de teorias em sua maioria difíceis de compreender e com voltas e voltas que acredito eu façam com que o expectador propositalmente se perca no enredo ou se ache burro por não entender conceitos baseados  na teoria da relatividade, começa bem, depois tem uma mega queda e depois vira algo que é muito nonsense. Fora que é extenso de uma forma que eu juro, eu quase dormi em alguns momentos, só não capotei por que o boy estava do lado (risos).

boyhoodgif

Boyhood – Outro filme que ganhou holofotes e eu fiquei curiosa pra ver já que demoraram 12 anos pra rodar, estava em uma viagem longa para Alemanha e surgiu a oportunidade, dei o play e gostei bastante, até me emocionei em alguns momentos, pois eu sou mãe né? Mas olha, dizer que é uma obra prima, principalmente considerando esses 12 anos de produção? Não mesmo. O filme conta a história de um menino até seus 18 anos de idade, mas, crime acontece, nada ocorre, feijoada.

amelie

O fabuloso destino de Amélie Poulain – Acho que foi um dos primeiros filmes “cult” que assisti, acredito eu que uma grande leva também, é um filminho lindinho, cheio de poesia, boa fotografia e música francesa e só.

Lembrando que essa listinha aqui reflete a minha opinião, não se sintam chateados caso eu tenha citado um de seus filmes favoritos, afinal, o que seria do azul se todos só gostassem do rosa?

27jul

Aquele que lembra

eternal-sunshine-of-the-spotless-mind-brilho-eterno-de-uma-mente-sem-lembranças

Na foto estão Jim Carrey e Kate Winslet em cena do filme Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças, de Michel Gondry (2004)

[Você pode ler esse texto ao som da música Paper Aeroplane, cantada por Angus & Julia Stone ♫]

Eu nunca fui de prometer nada, nunca disse que amaria esse ou aquele para sempre e que viveria feliz com eles para o resto da vida. Não por, naqueles momentos, deixar de acreditar nisso, mas por acreditar que promessas tem um poder muito grande. Eu não faço promessas por fazer, eu preciso ter certeza antes de prometer algo. Mas eu me lembro de todas que você fez.

Diferente daquele que promete, eu escuto as promessas. Escutei de várias pessoas promessas bobas e promessas sérias, algumas delas foram cumpridas e muitas outras não. E eu lembro de todas. Lembro que o colega da escola prometeu algo há mais de 15 anos, lembro da promessa do primeiro namorado, da promessa da amiga da faculdade e das promessas que você fez.

Na verdade eu não me importo tanto com o fato de você não ter cumprido essas promessas, mas quando começo a pensar na vida eu me lembro de todas elas e penso na quantidade de pessoas que “falam da boca pra fora” e prometem o mundo para uma grande quantidade de outras pessoas. Você pode me achar um tolo por fazer um texto como esse, falando de promessas e de lembranças, mas não ligo. Eu acredito que as pessoas deveriam ser sinceras umas com as outras e principalmente sinceras com seus sentimentos, por que sempre terá alguém que lembra.

Queria eu não lembrar de tudo que você me disse, queria eu ser Clementine e optar por esquecer e não sofrer. Queria eu ser Joel e esquecer aqueles que me esqueceram. Queria eu não ter aquele brilho eterno e piscante das lembranças e das promessas. Na verdade eu queria ser aquele que não para no tempo, que não pausa. Aquele moço que não mexe na caixinha de lembranças e cobra, ainda que sem querer, todas as promessas. Mas eu sou esse cara.

Tal como Joel, que optou por esquecer Clementine e se arrependeu, estou eu aqui colocando você em minhas memórias e fazendo se cumprir as promessas, imaginando você comigo naqueles momentos que não vivemos, naquelas promessas que não foram cumpridas. O mais estranho de tudo é que eu não ligo, você não me machuca mais, não me deixa triste. Mas ao mesmo tempo me lembro de tudo e penso “por que as pessoas prometem?“.

Será que ainda não aprendi a seguir em frente? E por isso me lembro de tudo? Não sei me responder isso, só acho que quanto mais penso mais acredito que isso faz parte de mim. Eu não lembro apenas das suas promessas, lembro-me das da minha mãe, do meu pai, dos meus amigos, dos outros namorados, lembro de tudo. Minha mente não me deixa esquecer nada.

Seria o problema o meu não esquecimento? A minha boa memória? Ter boa memória pode ser um problema?

Apesar de hoje “não ligar” para tudo que você disse da boca pra fora, fico pensando que acreditei e que muitos ainda acreditam e será sempre assim. Com base nisso coloco você no grupo dos que prometem e eu no grupo dos que não esquecem. Não acho que nenhum dos grupos sairá ganhando algo, mas acredito que eu não preciso mudar.

Eu não queria ser o Joel ou a Clementine.

Joel e Clementine são personagens do filme Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças. Na história ela decide esquecer ele para sempre e, para isso, aceita se submeter a um tratamento experimental. Após saber disso, ele entra em depressão e faz o mesmo procedimento para esquecê-la, porém desiste e começa a começa a encaixar Clementine em momentos de sua memória que ela não participa.

Esse texto faz parte do projeto “Eu, Você e Eles”.

17jul

Não tem problema você ficar sexta-feira em casa

Postado por às em a vida como ela é, Filmes, Séries
Unbreakable-Kimmy-Schmidt-serie-netflix

Ellie Kemper em cena de Unbreakable Kimmy Schmidt, série de Tina Fey e Robert Carlock (2015, Netflix)

Chegou mais uma sexta-feira e você se vê na obrigação de se divertir. As mensagens no WhatsApp apontam: tem balada hoje. Seus amigos te chamam para sair: bares, cafés e mais baladas. A única coisa que você consegue pensar é no catálogo da Netflix, você enxerga ali várias oportunidades de diversão.

Não é uma questão de velhice ou saco cheio, você simplesmente prefere ficar em casa assistindo séries ou quer finalmente ver aquele filme que concorreu ao Oscar desse ano e você não viu. Afinal, precisa colocar toda aquela sua lista em dia, pois essa dívida (de conteúdo) você fez consigo mesmo.

Você não precisa ficar com vergonha ou se sentir mal por passar a sexta-feira em casa, não precisa olhar para trás e pensar “Como eu era mais divertido”, as coisas mudam. Hoje você é outra pessoa e quando tiver vontade de ir à balada, irá. Não tem problema nenhum em sair do trabalho e correr pra casa para ver TV. Afinal, as séries estão ali disponíveis. Os filmes estão há um clique de você. E isso é tão maravilhoso!

Antes eu planejava meu final de semana muito bem, queria aproveitar ao máximo aquele tempo livre, precisava sair, beber e me divertir. Hoje eu vou pra casa, bebo em casa e me divirto em casa. E acho isso incrível.

Quem nunca chegou ao trabalho numa sexta-feira pensando que quando chegar em casa começará a temporada daquela série nova? Eu contava as horas para chegar em casa depois de ter lido sobre Unbreakable Kimmy Schmidt, eu precisava ver aquela série de uma vez só e usei um final de semana pra isso. Aproveitei mal meu tempo? De maneira alguma, me diverti horrores e pela primeira vez prestei atenção na letra de Firework, da Katy Perry (Titus, melhor pessoa <3).

E também tem aqueles momentos que você não tem uma série em mente e usa sua sexta-feira para “caçar”. Foi assim que eu descobri duas séries incríveis (que foram canceladas), mas estão disponíveis na Netflix. Happy Endings, que teve três temporadas, e Apartment 23. Essa segunda eu descobri numa sexta-feira em casa e desde então sou completamente apaixonado pela Chloe, personagem de Krysten Ritter. A série é muito engraçada, sério! Fez (e ainda faz, pois eu revejo) muitos finais de semanas felizes.

Tenho uma amiga que sempre me julga quando eu quero ficar em casa, “o dia está lindo Jader e você vai ficar trancado dentro de casa?”, diz ela. Eu dou risada e digo que sim, ela bufa dizendo que estou desperdiçando meu final de semana. Será que eu estou? Estou nada, ver séries, filmes ou jogar conversa fora com seus amigos em casa é uma delícia.

Vamos combinar uma coisa então? Você não precisa ter vergonha de ficar sexta-feira em casa, não precisa ter planos para o final de semana. Apenas faça o que você quer fazer e ponto.

*Esse post foi criado após uma conversa minha com a Vanessa (que fez o layout desse blog lindo <3)

13jul

Como Jogos Vorazes conseguiu ser mais que uma saga teen

Postado por às em Filmes
katniss

Jennifer Lawrence como Katniss em Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1, lançado em 2014

*Este texto não contém spoilers sobre o próximo filme da saga Jogos Vorazes.

Não é segredo que sou fã de Jogos Vorazes, isso não é só por que eu trabalho no lançamento do filme aqui no Brasil, eu simplesmente amo a história criada por Suzanne Collins.

Lembro que assisti ao primeiro filme (dublado, sério me julguem) enquanto estava sem sono numa viagem de avião. Eu estava cheio de preconceitos, mas queria assistir por causa da Jennifer Lawrence (tinha visto ela em O Inverno da Alma e adorado) e dei o play. O filme, de 2012, não é tão rico em produção como suas sequências, porém a história me chamou atenção. Mas foi só isso, pronto era uma boa história. Acho que depois de um ano fui ler os livros e percebi o quanto era inteligente a história da menina que desafiava o regime opressor.

Katniss é como muitos de nós, uma mulher com um único objetivo: sobreviver. Ela queria cuidar de sua irmã (e manter o Peeta vivo) e de sua mãe. Não queria guerras, só queira ter liberdade, ela só queria viver.

Ao mesmo tempo que só queria “viver em sua bolha”, ela deve participar daquele jogo que sociedade ama: uma competição. E assim começa história dela nos Jogos Vorazes, um reality show que coloca adolescentes para brigar até que apenas um sobreviva. Uma realidade um pouco distante da nossa, pois ainda não é permitido esse tipo de jogo na TV, mas ainda um tanto similar.

Esse jogo que acontece todos os anos desde que a população entrou em guerra com a Capital é a forma de punição do governo autoritário e, ao mesmo tempo, é a forma de entretimento. É como se o futuro tivesse nos levado para o passado. Na história de Jogos Vorazes voltamos para a Roma antiga e estamos assistindo gladiadores lutando até a morte e estamos batendo palmas. Tanto que a cidade que dá nome à Capital da história é uma homenagem a política “Panem et Circenses“, que tinha o objetivo de diminuir a insatisfação do povo oferecendo comida e entretenimento. Claro que na história de Jogos Vorazes é um tanto diferente, as pessoas costumam passar fome e só os ganhadores dos jogos costumam ter “uma vida boa” e algumas regalias.

Ao contrário das pessoas que acham os “Jogos Vorazes” o melhor da história, eu já acho diferente. A história do segundo livro é incrível, o golpe político que o Distrito 13, ainda então inexistente na história, da na Capital é incrível e, após esse acontecimento, começa a parte mais interessante da saga: a guerra das palavras. No lugar da correria para a sobrevivência dos tributos nos jogos, agora temos os rebeldes liderados pela Presidente Coin (do Distrito 13) e o poder de destruição em massa da Capital, liderados pelo odiado Presidente Snow. Ambos usando a publicidade ao seu favor, como se fosse uma guerra fria. Armas são disparadas? Sim! Mas ambos os lados estão trabalhando com as palavras para ganhar aliados, o mais importante nesse momento é fazer com que todos comprem sua história. Enquanto a Capital tem o Peeta pedindo o cessar fogo, o Distrito 13 tem a Katniss, o símbolo da revolução e da liberdade, chamando o povo para as ruas, para a guerra.

Nessa parte da história Katniss precisa deixar de apenas querer sobreviver e decidir se quer ser o símbolo da revolução, o símbolo da liberdade para o povo que vive em opressão há 76 anos, ela reluta pois nunca quis ser símbolo de nada. Acho que essa parte da personalidade da Katniss difere um pouco de todos nós, ela é uma garota diferente de todos os jovens que temos hoje. Atualmente todo mundo quer ser símbolo de algo, já ela não.

A protester against military rule holds up his three middle fingers as soldiers look on from above during a brief demonstration outside a shopping mall in Bangkok on Sunday. Demonstrators adopted the gesture from The Hunger Games.

Um manifestante contra o regime militar faz o símbolo dos três dedos em meio aos olhares dos soldados. Essa foto foi tirada durante uma manifestação feita em um shopping center de Bangkok. Os manifestantes adotaram o gesto do filme Jogos Vorazes como forma de protesto.

O terceiro, e último livro, foi divido em dois filmes (como é moda agora nas adaptações) e foi lançado em novembro do ano passado. “Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1” foi a maior estreia no ano e a maior estreia em números de sala no Brasil, a história virou uma febre e não somente entre os adolescentes, Katniss e sua luta contra a Capital é tema de projetos universitários, debates e discussões no mundo todo. O legal disso tudo é que a literatura infantojuvenil (e o cinema) está levando mensagens positivas para os jovens do mundo todo. Na Tailândia, os manifestantes usaram o símbolo dos três dedos para manifestar sua indignação contra o governo atual e isso funcionou de tal forma que a polícia começou a prender todos que usassem o símbolo nas ruas. A arte imita a vida? Nesse caso foi completamente o contrário. Uma história que nasceu com preconceitos, por ser definida como “livro/filme para adolescente” agora vira símbolo de manifestação contra um governo totalitário e passa uma mensagem importante, de uma forma de entretenimento, para milhões de jovens ao redor do mundo.

A parte de política em Jogos Vorazes é mais importante que o drama dos personagens, principalmente a parte do triângulo amoroso. A história de amor entre Katniss, Peeta e Gale tem tanta importância quando o futuro de Buttercup (o gato da Prim). Existe uma história de amor, mas o foco aqui é outro.

Nesse último filme, que será lançado em novembro, a personagem finalmente terá sua vingança, porém – além da guerra eminente – Katniss precisa travar uma batalha contra si mesma e ver em quem ela deve acreditar. O Presidente Snow, o idealizador dos Jogos Vorazes, é o grande vilão da história mas além dele outras pessoas querem o poder e esse é o tipo de poder que nos muda.

Jogos Vorazes conseguiu ser mais do que uma “saga teen”, hoje – acredito eu – a história ganhou status de cult. Você não precisa mais ter vergonha de falar que aquilo é realmente bom, por que é bom mesmo.

Plugin creado por AcIDc00L: noticias juegos
Plugin Modo Mantenimiento patrocinado por: seo valencia