/ escolhas

07set

Não podemos nos perder

012-harry-and-sally-theredlist

Billy Crystal e Meg Ryan em cena de Harry e Sally – Feitos Um para o Outro, de 1989.

[Você pode ler esse texto ao som de Janeiro, do SILVA]

Há muito tempo estamos nessa relação estranha, onde os dois se gostam e andam por caminhos diferentes. Há muito tempo nos gostamos, guardamos segredo com medo de contar para o outro e mostrar nossa fraqueza. Há muito tempo tenho sido burro pois o medo de te perder faz com que eu não tenha nada, ele é a causa do nosso distanciamento.

Demorei demais para perceber isso e chegar  na simples conclusão: eu escolhi você. Não escolhi numa prateleira, muito pelo contrário. Te escolhi aqui do meu lado, olhando para tudo que vivemos e tudo que somos. Ao mesmo tempo que eu estava excitado com tudo que sentia, morria de medo e pensava em como te dizer isso, o medo de perder o que tínhamos era maior que o sentimento que eu tinha por você. E isso me fez entender o quanto eu estava errando em não decidir pelo óbvio. Você é óbvio, é tudo que eu sempre quis há muito tempo e estava aqui pra mim.

As pessoas falam que o amor é cego e eu até acredito nisso, mas eu quero que você saiba que mesmo ele sendo cego, hoje enxergo tudo com uma claridade tão perfeita. Por isso não quero ver o passado como um tempo perdido, quero tirar uma lição de tudo que passou para viver os nossos próximos passos. Dessa vez, eu não quero que você seja um episódio da minha vida, quero você como um capítulo completo, como uma história sem final, quero você de verdade.

Já te contei tudo que escrevi acima mas ainda acho que você não acredita em mim, nessa minha mudança repentina, mas a verdade é que não foi uma mudança, foi mais um acordar. Não te contei antes, pois não sabia como fazer isso, era confuso e eu precisava esperar o tempo certo, não queria errar com você ou comigo. Hoje, te dou um tempo que precisa, mas penso que não devemos demorar para começar essa história, pois podemos nos perder no caminho.

Hoje eu não tenho mais medo, você não sabe mas já falei isso em voz alta e já dividi essa minha excitação com algumas pessoas e estou tão feliz por isso. Espero que nada mude o que estou sentindo agora, pois me deixa com uma sensação tão calma, tão leve.

O orgulho que me fez esconder o sentimento durante todo esse tempo foi embora e espero que ele não tenha atrapalhado muito a nossa relação, pois hoje estou aqui pra você e por você e nada vai atrapalhar isso. Hoje aposto todas as minhas fichas na gente e espero ganharmos muito com isso.

Não sei por que demorei tanto para perceber que somos um do outro, que somos uma dupla incrível, mas eu percebi e agora posso dizer com todas as letras que te quero e te espero. Só peço que não demore pra ver que tudo isso é real e que a felicidade está na nossa frente, disposta e disponível.

Esse texto faz parte do projeto “Eu, Você e Eles“.

01set

Temos que aprender a conjugar o verbo amar

jovens adults

Charlize Theron em cena do filme Jovens Adultos, de 2011

[Você pode ler esse texto ao som de Cannonball, de Damien Rice ♫]

Você já chegou naquele ponto em que faz a escolha certa, mas percebe que o contador do tempo já zerou? Tipo, você decidiu por algo que não está mais disponível? Fez a escolha certa na hora errada?

Esses dias, após uma conversa com uma amiga, eu postei uma frase no Facebook que me fez pensar por muito tempo e que pode se encaixar muito bem no ponto que quero discutir com vocês hoje. A frase foi a seguinte “Temos que aprender a conjugar o verbo amar para não errarmos no tempo“. Depois de postar essa frase eu pensei em todas aquelas oportunidades que foram embora, todas aquelas repostas ditas depois do “PIIIIII” que indicava que o tempo havia acabado.

Eu sempre brinquei que a música do The Killers, Mr. Brightside, era minha. Na verdade ainda brinco e continuo achando isso. Mas ao mesmo tempo em que sou o senhor otimismo eu também sou aquele pessimista, principalmente quando estamos falando de relacionamentos. Sempre penso que continuarei cometendo os mesmos erros. Errando no tempo de amar, de dar as chances e de fazer as coisas acontecerem.

Há alguns anos eu estive presente na vida de uma amiga que era apaixonada por um cara X, que era lindo, mas era uma pessoa ruim. Ao mesmo tempo em que ela estava apaixonada por ele, um cara Y estava apaixonado por ela, que não gostava dele. Ai você me pergunta o que ela fez e o que eu faria, só de pensar na minha escolha eu fico triste, pois eu escolheria o mais difícil, acreditaria na mudança. O que ela fez? Acertou no tempo.

Eu sempre pego exemplos assim para tentar melhorar esse meu sentido para as coisas. Eu não quero mais errar no tempo e depois descobrir o tamanho daquela burrada. Mas existe algo dentro de mim que faz com que o tempo seja o maior inimigo. O fato é que eu quero logo ou quero tarde e isso complica tudo. Mas como posso aprender a calibrar meu lado emocional?

Realmente não faço a mínima ideia de como fazer as coisas no tempo certo e mesmo não aceitando completamente isso, vou tentar levar em consideração que o contador já zerou, não é minha culpa. Na verdade a culpa não é de ninguém, faz parte da vida. Agora eu volto no tempo e confirmo um outro assunto que joguei aqui no blog: a vida é uma canção triste.

31jul

As bagagens que carregamos

Postado por às em Amor, Eu Você e Eles, Relacionamento
500diascomela

Zooey Deschanel e Joseph Gordon-Levitt em imagem de (500) Dias com Ela, filme de 2009

[Você pode ler esse texto ao som da música Waste of Time, da MØ ♫]

Durante nossa vida adulta conhecemos várias pessoas, algumas passam por nós pois precisam de alguma ajuda, outras passam para nos ajudar. E quando você olha para trás e analisa todos seus relacionamentos encontrará aqueles que te ajudaram, aqueles que você ajudou e também aquela parcela que não esteve em nenhum dos dois lados.

Não sei vocês, mas eu tenho bagagens de todos meus relacionamentos anteriores e as carrego comigo. Algumas são muito boas e me ajudam, outras são ruins, mas também ajudam. Elas servem para isso, fazer com que nossas escolhas sejam mais assertivas, pois se já passamos por determinada situação já sabemos lidar com ela. Assim as bagagens servem para que a cada dia possamos errar menos e se errarmos, elas nos ajudarão a sofrer menos e virar a página.

Eu já fiz escolhas baseadas em meus relacionamentos anteriores e até já defini algumas coisas que não quero viver novamente. Sim, eu fiz escolhas a partir das minhas experiências amorosas e levo-as muito a sério, só que às vezes um pouco sério de demais.

O que eu quero dividir com vocês hoje é que eu defini “meus termos” e me policio sempre, não quero deixar que uma pessoa que não se enquadre nesses termos entre na minha vida e me traga de volta as mesmas bagagens ruins que já carreguei. É algo que combinei comigo mesmo e tenho seguido. Pode ser burrice comparar algo do passado com algo do presente? Pode. Mas são coisas que eu não gostaria de lidar.

Eu não sei o quanto erro fazendo isso, o quanto do passado tem voltado para atrapalhar o meu presente, mas acredito que quanto mais velho ficamos (e experientes) mais conseguimos lidar com as coisas e ganhamos mais poder de decisão sobre as nossas escolhas. Porém, apesar de achar que não podemos ficar tristes por escolhas que nós mesmos fizemos, eu ainda fico.

Fiz uma escolha baseada num relacionamento anterior e nada me fará muda-la, sabe? Porém essa escolha fez com que uma pessoa fosse embora da minha vida de um jeito ruim, eu me neguei a ajuda-la. Disse “não” sobre ser a ponte que ela precisava para um problema que eu já tinha vivido em um relacionamento anterior e hoje penso que eu poderia ter tentado.

Eu não queria viver os problemas que já vivi e eu fiz uma escolha: não seria mais a ponte. Nesse caso eu fui exatamente quem eu queria ser e quem eu prometi que seria. Eu cumpri minha promessa e agora estou triste por não ter ajudado uma pessoa que precisava de mim. Estranho a vida né?

Acredito que continuarei cumprindo minha promessa e não sendo mais a ponte, até o dia que não precisarei mais.

A Taína já falou desse assunto aqui no blog também, sobre os medos do passado.

Esse texto faz parte do projeto “Eu, Você e Eles”.

Plugin creado por AcIDc00L: key giveaway
Plugin Modo Mantenimiento patrocinado por: posicionamiento web