/ fim

18jan

Ninguém pode te ensinar como (não) sofrer por amor

Postado por às em Amor, Feminismo, Relacionamento
her-joaquin-phoenix-filme

Joaquin Phoenix em cena do filme Her, de 2013

[Você pode ler esse texto ao som de Supersymmetry, do Arcade Fire ♫]

É muito complicado quando um amigo, ou amiga, chega a você e diz: “o que eu faço para parar de pensar no fulano?”, eu sempre respondo “tenta fazer algo diferente, ocupar sua mente, vamos sair?” e assim tento ajudar aquele ser durante esse momento difícil, mas tudo que eu disse não passa de frases prontas que todo mundo está cansado de escutar. É claro que eu tento de todas as formas fazer com esse amigo não sofra e leve a vida adiante, mas até que ponto essas palavras funcionam?

Você está bem no trabalho, está muito feliz com o andamento da sua vida e começa até a fazer planos para o futuro: viagens, comprar um carro, trocar de apartamento, fazer um curso novo… Até que um dia chega uma pessoa na sua vida, uma pessoa que movimento tudo, bagunça tudo e te fazer sentir aquele sentimento que há tempos você não sentia. Aquela pessoa que emenda a sua alma novamente, sim aquela pessoa. E em meio a toda essa felicidade bagunçada a pessoa acaba indo embora, sem explicações, sem direito de receber uma resposta, apenas vai, pois o amor acabou. O que a gente faz?

Seus amigos (meus amigos, eu, seus irmãos…) falarão “calma, vai ficar tudo bem. Tenta esquecer o que aconteceu e bola pra frente”, mas você esquece? Não, você chora, tenta ocupar a mente fingindo que está pensando em outras coisas e não consegue. Você vai passar dias, semanas ou meses assim, pois não consegue controlar. Não é uma questão de escolha, de desligar uma válvula e seguir em frente, você imagina de todas as formas como seria se tudo fosse diferente, se tivesse mais uma chance. E às vezes você tem essa oportunidade, às vezes.

Quando a oportunidade não vem o que resta é lidar consigo mesmo, é encarar o problema e ir aos poucos diminuindo esse sentimento sem se forçar a nada. Não tente entrar em outro relacionamento apenas para “esquecer”, pois uma pessoa não consegue ocupar o buraco de outra, apenas você consegue ocupar esse buraco.

Esses dias vi um post de imagem e coloquei no Twitter, esse post falava sobre uma pessoa que teve o coração partido três vezes e o que ela fez em cada uma dessas situações. Na terceira, ela foi ver um filme. Apesar de não ser tão simples assim eu gostei muito da imagem, coisas assim dão uma forcinha pra gente mesmo sabendo como é esse sofrimento e conhecendo essa dor. Sabemos que chega a doer de verdade, entende que todo o choro é real, mas coisas fofas nos ajudam a trabalhar esse sofrimento.

O que eu gostaria de dividir com vocês é que ninguém pode parar essa dor, ninguém pode fazer você desligar e esquecer de um dia para outro, só você. A gente luta tanto diariamente e no final acabamos esquecendo que somos tão fortes e capazes de superar essas perdas.

Vai doer? Vai sim, vai muito.
Vou chorar? Vai sim, vai muito.
Vai passar? Vai sim.

A dor é passageira e ela nos dá algo que ninguém pode dar: a experiência. Ensine você mesmo a lidar com seus sentimentos, sejam eles bons ou ruins. Só você pode se ajudar.

14dez

Ninguém se importa

cadeira

Eu sempre fui muito boba em relação as minhas amizades e relacionamentos, eu sempre me preocupei demais, eu sempre fui a parte que cede, que não quer brigar, mas também vi que alguns casos eu sou a parte que se importa mais, e ver isso as vezes dá uma puta dor no coração.

São pequenas coisas, como por exemplo quando você sempre espera aquela sua amiga do trabalho pra almoçar no horário que ela precisa ou pra tomar café e num outro dia você observa que ela não faz questão de esperar caso você precise mudar de horário.

Também acontece quando um amigo te convida para fazer um programa e você sempre está disponível para curtir com ele, nos termos dele, mas quando o contrário acontece, a disponibilidade não é a mesma.

Não estou falando de grandes amizades, os exemplos acima são pequenas coisas que acontecem no dia-a-dia, relacionamentos que não são tão profundos, mas que são diários, necessários. Mas isso também acontece nos relacionamentos amorosos, quantas e quantas vezes você já fez o papel da pessoa que gosta mais? Convenhamos, sempre existe esse papel e claramente é a pessoa que mais sofre, mas também a que mais vive o amor.

E quando você faz questão de mandar mensagem, de avisar quando chega, de criar planos e pensar em lugares diferentes para ir no final de semana e de estar ali sempre disponível para o namoradinho, mas na verdade, ele nem está tão ligado assim? Ou não faz tanta questão? É difícil ser essa parte, é complicado tentar entender as pessoas, mas acredito que isso é reflexo de uma alta disponibilidade que no fundo é minha culpa, talvez eu devesse ser menos tranquila e pré-disposta, mas eu não sei mudar, quando eu gosto da pessoa, seja amigo, seja um amorzinho, eu quero agradar, eu quero ajudar, as vezes não funciona, mas quem se importa?

niguem

27out

O teu amor pra onde foi?

Postado por às em a vida como ela é
Cena do filme Her, de Spike Jonze

Cena do filme Her, de Spike Jonze

[Você pode ler esse texto ao som de Quem inventou o amor?, da Legião Urbana]

Tudo era mil maravilhas, meu bem pra cá, meu bem pra lá. Saíram alguns eu te amo e tudo parecia tão bem, aparentemente estávamos felizes morando juntos, tudo foi tão rápido, em alguns meses já estávamos bolando planos de casamento e até planejando a nossa festa juntos, a viagem de lua de mel.

Mas ai de repente você vira e diz que tudo acabou, que o amor que você declarou várias vezes não existia mais, pra onde será que ele foi? Será que esse amor ai foi apenas uma ilusão? apenas um profundo gostar de si próprio que saiu do teu corpo e dá um pulo em uma outra pessoa, mas logo volta para seu lugar de origem, o amor próprio?

Eu sei, talvez nós tenhamos sido muito rápidos né? Afinal, pra quem já está na nossa idade, pra que fazer joguinhos? Pra que fingir desinteresse? Eu não sei. Será que mesmo no auge da nossa vida adulta temos ainda que nos submeter a esses jogos de sedução onde um finge que não viu a mensagem no whatsapp e demora no mínimo 30 minutos para responder?

Mas também não consigo entender como o amor se esvai assim tão rapidamente, deixa o que no lugar? Você também não conseguiu se explicar, nem sabe dizer como isso aconteceu, conversamos e o melhor foi você partir, pegar suas coisas e sair da minha casa, da minha vida.

Talvez seja melhor procurar o amor que se foi, mesmo que encontre em outro colo, em outro sorriso que não seja o meu, por que assim como o seu amor não existe mais, o meu também jaz profundamente.

Enquanto a vida vai e vem
Você procura achar alguém
Que um dia possa lhe dizer
– quero ficar só com você

*Este conto faz parte de uma série de crônicas do a vida como ela é.

20out

Adeus tristeza, não volte mais!

Postado por às em Relacionamento

12

Eu estava fazendo uma auto análise de olho no meu comportamento esta semana, não sei por que cargas d´agua eu resolvi desenterrar duas coisas da minha vida nesta segunda feira: os cds de axé de 95, 97 e os cds da cantora mexicana Thalia, muitos já sabem, fui fã dela na minha adolescência, uma curiosidade pra quem não sabe, uma das minhas filhas chama Thalia, adivinha por que? Risos.

Eu fui e voltei para o trabalho todos esses dias ouvindo esses cds e me senti muito bem, observei que lembro de cada coreografia e também de cada letra dos 5 cds da Thalia que estão no meu carro. Eu não sei se vocês também são assim e observam o próprio comportamento, mas eu fiz isso e concluí que essa não é a primeira vez que faço isso, acho que toda vez que eu preciso me recuperar, me sentir bem esses dois pontos são importantes, não pelas músicas, mas acredito que por que foram momentos da minha vida que eu me senti feliz, em paz, sem muito peso nas costas.

Acho que essa foi a forma que eu encontrei de superar as coisas que eu sempre tranquei nos últimos tempos, que sempre deixei lá dentro. Eu gostaria de poder explicar melhor isso, acho que não consigo, mas o X da questão é que talvez, outras pessoas também recorram a um filme, um livro, uma série que a faça sentir-se assim, livre, leve e talvez seja um tipo de cura sentimental após algum trauma/tristeza/fim.

Conversei com um amigo pra ver se esse conceito existe mesmo ou é coisa da minha cabeça e ufa, eu não estou sozinha, ele me contou que também já ouviu relatos como esse e que até já viveu.

Acredito que isso é uma forma de nostalgia, voltar para o lugar seguro, idealizado, por que não sei se você já observou, mas nós geralmente imaginamos o passado ou maravilhoso demais ou dramático demais, a tendência é sempre idealizar para os extremos. No fundo o que importa pra mim é como trazer essas músicas, essas lembranças estão me ajudando a ficar mais contente, deixar a alegria voltar.

Pra finalizar eu me peguei hoje cedo cantando e pensando num trecho da música da Thalia e deixo aqui pra vocês:

Siempre hay cariño, siempre hay amor
aunque todo te parezca oscuro y sin color
adiós tristeza no vuelvas más
que en la vida no queda tiempo para llorar
adiós tristeza, no vuelvas más
que en la vida no queda tiempo para llorar
adiós tristeza, au revoir, goodbye
que para todo el que busca cariño,
cariño siempre hay

13out

Cada pessoa é um capítulo

Postado por às em Relacionamento
Cena do filme "A culpa é das Estrelas"

Cena do filme “A culpa é das Estrelas”

Sim, talvez você não entenda agora, mas apesar de não ter religião eu acredito que cada pessoa tem um papel na vida do outro, isso para relacionamentos, amizades ou até mesmo quando falamos de trabalho.

De todas essas relações conseguimos tirar algum proveito e aprender e se desenvolver, posso citar aqui inúmeros casos da minha vida, como por exemplo os anos que trabalhei com um chefe difícil, complicado mesmo, onde passei por muitas provas, muitas humilhações e momentos tantos que eu quis jogar tudo pra cima e dizer “foda-se essa merda toda”, não há quem diga que essa pessoa era fácil de lidar, mas hoje eu consigo ver o quanto essa experiência me fez crescer profissionalmente e me preparou para outros ambientes e desafios, não que eu ache que isso seja uma boa metodologia ou faça apologia a esse tipo de gestão, mas a questão é que consigo ver pontos de evolução em mim, na minha carreira.

Esse caso foi tão frustrante que eu lembro daquele filme Whiplash! Que era um caso bem exemplificado do meu ex-chefe, tanto é que eu me recordo que não gostei do filme, obviamente em parte por conta dessa “metodologia” ~diferenciada~.

new

Posso citar também o lado amoroso, que por inúmeras vezes pensei que nunca mais seria capaz de me apaixonar de novo, de me entregar e que as relações estavam fadadas ao fracasso, ao reflexo do que foi meu relacionamento anterior, e eu aprendi que não, que principalmente nada é igual, você não deve pautar o teu relacionamento atual numa relação anterior ou comparar com o namoro da sua amiga. Você deve seguir e viver um plano em branco, sem carregar antigas frustrações.

Eu vejo a mudança em mim e entendo qual foi o papel dele nessa minha evolução, acho que isso é sensacional. Tenho certeza que com o tempo isso ficará mais claro, assim como enxergo hoje o papel do chefe “complicado”. Talvez isso não lhe valha de nada, já que são constatações que você fará apenas com o passar do tempo, mas talvez também valha, se você precisar de um exemplo ou uma palavra.

Plugin creado por AcIDc00L: noticias juegos
Plugin Modo Mantenimiento patrocinado por: seo valencia