/ livro

13ago

O meu livro preferido

Postado por às em Livros

millennium

Alguém já te perguntou qual era o seu livro favorito? pra mim sim e a resposta é sempre a mesma, na verdade não é um livro e sim uma saga: nenhum outro conseguiu me fazer esquecer a Trilogia Millenium, com três livros: – Os homens que não amavam as mulheres – A menina que brincava com fogo e A rainha do castelo de ar.

Eu li esses três livros enquanto ainda estava na faculdade e ainda consigo me lembrar do coração batendo acelerado com cada movimento planejado pelos doidos Lisbeth Salander e Mikael Blomkvist.

Acredito que muitos de vocês já tenham lido, lembro de uma época em que virou febre, mas não sei se todo mundo chegou a concluir, já que cada livro era grosso feito aqueles
do Game of Thrones. O primeiro livro tem uma história interessantíssima que é bem distinta dos dois outros livros, mas que faz com que os dois personagens principais se conheçam e criem seus laços, intrigante, emocionante e o melhor de tudo, te deixa bem grudada nas páginas. Mikael é um jornalista investigativo que de “férias forçadas” é convidado por um ricaço a investigar o caso de sumiço de sua sobrinha e o desenrolar é sensacional.

trilogiamillennium2

O segundo livro começa mais devagar, confesso que quase deixei de lado, mas surpreende e mostra a real história da trilogia, é emocionante e inteligente, tem assassinato,  escândalos econômicos e até trafico sexual, inúmeras vezes me peguei sem fôlego ou rindo sozinha. Acho que o que mais me encanta nesse livro é a construção de personagens principais, a forma como eles são totalmente fora do padrão, os heróis são extremamente divergentes, ela uma hacker cheia de piercings, revoltadinha e incrivelmente inteligente, ele um jornalista “normal” extremamente sagaz e visionário.

Os livros fizeram tanto sucesso que viraram filme na Suécia (tem na Netflix) e ganharam o mundo, tanto que rolou até uma versão de Hollywood que na minha opinião não ganha das versões originais, mais foi incrivelmente empolgante.

Eu não vou fazer a resenha dos livros, pq né? Você pode procurar isso facilmente nas internets, indico profundamente e fiquei feliz agora em saber que haverá uma continuação, o autor Stieg Larsson já é falecido, mas um outro escritor foi contratado para ser o responsável pela continuação, o livro será lançado na Suécia ainda esse ano.p

Update: A Gio Sacche me avisou que o lançamento vai ser mundial e já está em pré venda na Amazon para edição física e também para kindle! OMG!

13jul

Como Jogos Vorazes conseguiu ser mais que uma saga teen

Postado por às em Filmes
katniss

Jennifer Lawrence como Katniss em Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1, lançado em 2014

*Este texto não contém spoilers sobre o próximo filme da saga Jogos Vorazes.

Não é segredo que sou fã de Jogos Vorazes, isso não é só por que eu trabalho no lançamento do filme aqui no Brasil, eu simplesmente amo a história criada por Suzanne Collins.

Lembro que assisti ao primeiro filme (dublado, sério me julguem) enquanto estava sem sono numa viagem de avião. Eu estava cheio de preconceitos, mas queria assistir por causa da Jennifer Lawrence (tinha visto ela em O Inverno da Alma e adorado) e dei o play. O filme, de 2012, não é tão rico em produção como suas sequências, porém a história me chamou atenção. Mas foi só isso, pronto era uma boa história. Acho que depois de um ano fui ler os livros e percebi o quanto era inteligente a história da menina que desafiava o regime opressor.

Katniss é como muitos de nós, uma mulher com um único objetivo: sobreviver. Ela queria cuidar de sua irmã (e manter o Peeta vivo) e de sua mãe. Não queria guerras, só queira ter liberdade, ela só queria viver.

Ao mesmo tempo que só queria “viver em sua bolha”, ela deve participar daquele jogo que sociedade ama: uma competição. E assim começa história dela nos Jogos Vorazes, um reality show que coloca adolescentes para brigar até que apenas um sobreviva. Uma realidade um pouco distante da nossa, pois ainda não é permitido esse tipo de jogo na TV, mas ainda um tanto similar.

Esse jogo que acontece todos os anos desde que a população entrou em guerra com a Capital é a forma de punição do governo autoritário e, ao mesmo tempo, é a forma de entretimento. É como se o futuro tivesse nos levado para o passado. Na história de Jogos Vorazes voltamos para a Roma antiga e estamos assistindo gladiadores lutando até a morte e estamos batendo palmas. Tanto que a cidade que dá nome à Capital da história é uma homenagem a política “Panem et Circenses“, que tinha o objetivo de diminuir a insatisfação do povo oferecendo comida e entretenimento. Claro que na história de Jogos Vorazes é um tanto diferente, as pessoas costumam passar fome e só os ganhadores dos jogos costumam ter “uma vida boa” e algumas regalias.

Ao contrário das pessoas que acham os “Jogos Vorazes” o melhor da história, eu já acho diferente. A história do segundo livro é incrível, o golpe político que o Distrito 13, ainda então inexistente na história, da na Capital é incrível e, após esse acontecimento, começa a parte mais interessante da saga: a guerra das palavras. No lugar da correria para a sobrevivência dos tributos nos jogos, agora temos os rebeldes liderados pela Presidente Coin (do Distrito 13) e o poder de destruição em massa da Capital, liderados pelo odiado Presidente Snow. Ambos usando a publicidade ao seu favor, como se fosse uma guerra fria. Armas são disparadas? Sim! Mas ambos os lados estão trabalhando com as palavras para ganhar aliados, o mais importante nesse momento é fazer com que todos comprem sua história. Enquanto a Capital tem o Peeta pedindo o cessar fogo, o Distrito 13 tem a Katniss, o símbolo da revolução e da liberdade, chamando o povo para as ruas, para a guerra.

Nessa parte da história Katniss precisa deixar de apenas querer sobreviver e decidir se quer ser o símbolo da revolução, o símbolo da liberdade para o povo que vive em opressão há 76 anos, ela reluta pois nunca quis ser símbolo de nada. Acho que essa parte da personalidade da Katniss difere um pouco de todos nós, ela é uma garota diferente de todos os jovens que temos hoje. Atualmente todo mundo quer ser símbolo de algo, já ela não.

A protester against military rule holds up his three middle fingers as soldiers look on from above during a brief demonstration outside a shopping mall in Bangkok on Sunday. Demonstrators adopted the gesture from The Hunger Games.

Um manifestante contra o regime militar faz o símbolo dos três dedos em meio aos olhares dos soldados. Essa foto foi tirada durante uma manifestação feita em um shopping center de Bangkok. Os manifestantes adotaram o gesto do filme Jogos Vorazes como forma de protesto.

O terceiro, e último livro, foi divido em dois filmes (como é moda agora nas adaptações) e foi lançado em novembro do ano passado. “Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1” foi a maior estreia no ano e a maior estreia em números de sala no Brasil, a história virou uma febre e não somente entre os adolescentes, Katniss e sua luta contra a Capital é tema de projetos universitários, debates e discussões no mundo todo. O legal disso tudo é que a literatura infantojuvenil (e o cinema) está levando mensagens positivas para os jovens do mundo todo. Na Tailândia, os manifestantes usaram o símbolo dos três dedos para manifestar sua indignação contra o governo atual e isso funcionou de tal forma que a polícia começou a prender todos que usassem o símbolo nas ruas. A arte imita a vida? Nesse caso foi completamente o contrário. Uma história que nasceu com preconceitos, por ser definida como “livro/filme para adolescente” agora vira símbolo de manifestação contra um governo totalitário e passa uma mensagem importante, de uma forma de entretenimento, para milhões de jovens ao redor do mundo.

A parte de política em Jogos Vorazes é mais importante que o drama dos personagens, principalmente a parte do triângulo amoroso. A história de amor entre Katniss, Peeta e Gale tem tanta importância quando o futuro de Buttercup (o gato da Prim). Existe uma história de amor, mas o foco aqui é outro.

Nesse último filme, que será lançado em novembro, a personagem finalmente terá sua vingança, porém – além da guerra eminente – Katniss precisa travar uma batalha contra si mesma e ver em quem ela deve acreditar. O Presidente Snow, o idealizador dos Jogos Vorazes, é o grande vilão da história mas além dele outras pessoas querem o poder e esse é o tipo de poder que nos muda.

Jogos Vorazes conseguiu ser mais do que uma “saga teen”, hoje – acredito eu – a história ganhou status de cult. Você não precisa mais ter vergonha de falar que aquilo é realmente bom, por que é bom mesmo.

Plugin creado por AcIDc00L: bundles
Plugin Modo Mantenimiento patrocinado por: posicionamiento web