/ Ponte Aérea

19out

Por que nós desistimos facilmente?

Postado por às em Amor, Relacionamento

Keira Knightley e Andrew Lincoln em cena de Simplesmente Amor, de 2003

[Você pode ler esse texto ao som de Same Mistake, do James Blunt ♫]

É muito claro que a geração dos nossos pais é muito diferente da nossa, enquanto eles eram mais acostumados com o dia-a-dia, a realidade e aceitavam mais o rumo da vida, nós somos inquietos, trocamos de emprego com frequência e amamos muito mais. Estava pensando nisso, no “amar muito mais” que estamos acostumados, em todos os relacionamentos que tive, todas as paixões que me encheram o peito e também nos relacionamentos de amigos e notei que nós desistimos tão rápido.

Isso não é exclusivo de relacionamentos, é em todas as áreas, só que me incomoda muito lidar com isso na parte dos relacionamentos, sabe? Parece que não temos tempo para esperar que as coisas fiquem bem, que não temos paciência ou jogo de cintura. Queremos que tudo aconteça tão rapidamente e no final nada acaba acontecendo. Enquanto queremos ganhar tempo, acabamos perdendo tudo. Eu acho triste.

Já imaginou quantos relacionamentos você deixou passar por desistir fácil? Talvez a pessoa tinha uma característica X que você não gostou e foi embora. Talvez os gostos fossem diferentes e você acabou indo embora. Talvez você não se sentia bem com os amigos dela e decidiu partir. Tem tantos motivos que nos fazem desistir de relacionamentos, motivos que parecem muito sérios no momento da decisão, mas acabam sendo bobos no futuro.

simplesmente-amor-filme

Andrew Lincoln em cena de Simplesmente Amor, de 2003

Eu já falei aqui no blog sobre ser a ponte de alguém, falei que havia decidido que não faria mais isso, que não seria aquele que leva uma pessoa para o outro lado, para que ela fique bem. Sim, eu não quis ajudar uma pessoa. E depois vi que fui burro, fiz algo baseado em uma experiência anterior que me fez “perder” aquela pessoa. Eu decidi desistir facilmente pois o cara que eu ficava não era assumido e eu já tive problemas com isso e não queria repetir o problema. Só que um dia ele me disse “você poderia ter me ajudado e não ajudou”. Eu não me arrependo de ter desistido, sabe? Mas poderia ter acontecido algo tão legal nessa relação e eu acabei perdendo tudo. E o pior de tudo é que nós não aprendemos.

Esses dias eu postei no Twitter algo que me fez rir muito, algo bobo e meio triste. Eu publiquei que minha vida era uma música ruim do James Blunt, essa mesmo que eu indiquei no post pra vocês lerem. Parece que a todo o momento estamos querendo uma segunda chance, mas sempre cometemos os mesmos erros. A gente desiste do relacionamento, desiste do amor, das histórias que poderíamos viver e acabamos cometendo os mesmos erros de novo.

Sabe quando você pediu aquele tempo para seu namorado (a) e ficaram aqueles dias sem estar namorando, mas voltaram depois? Você não parou de pensar no que ele (ou ela) fez durante esse tempo que ficaram separados, aquilo te corroeu e te deixou paranoico, você chegou e perguntou se “aconteceu algo enquanto não estávamos juntos” e a resposta fez você desistir. Pensa como é burro isso? Você deu espaço (ou pediu espaço) e não gostou do que aconteceu durante esse tempo e isso fez com que você desistisse de tudo. É louco né?

Parece que nós não estamos contentes com o que temos, sempre queremos mais e no final acabamos cometendo os mesmos erros, fazendo as mesmas escolhas e desistindo fácil. Queremos morrer de amores como os autores das músicas que gostamos, dos filmes que assistimos e dos livros que a gente lê, mas desistimos desse amor.

Hoje eu não queria desistir de nada, mas a história vai me levando a tomar essa decisão. Como diz Damien Rice em The Professor “Here’s to another relationship…“.

24set

Ninguém é culpado pelo fim

Postado por às em Relacionamento
Cena do filme Ponte Aérea, 2015

Cena do filme Ponte Aérea, 2015

[Você pode ler esse texto ao som de Thinking out Loud, do Ed Sheeran]

Parece que aquele dia que fomos ver Ponte Aérea foi uma premonição, afinal desde o começo a gente sabia sobre os riscos e resolveu mesmo assim se aventurar, como eu sai do filme debulhada em lágrimas parece mesmo uma visão, por que foi desse mesmo jeito quando o fim chegou, soluçando e tentando esconder o choro copioso e dolorido.

Lembro até hoje quando o filme terminou eu encontrei uma amiga no meio do caminho do banheiro, onde eu buscava abrigo e esconder a emoção e o choro provocado pelo filme, eu passei correndo dei um oi e corri, mas ontem, não tinha lugar pra eu me esconder. Era só eu, você e a nossa decisão.

Quando eu conto da nossa decisão as pessoas me chamam de louca, nos chamam de loucos, por que como podemos considerar uma atitude tão radical assim e sofrer tanto pensando em algo que pode mudar, pode sofrer inúmeras variações e não ser o que tentamos evitar?

A resposta é que eu não sei, só sei o que eu estou sentindo e que de certa forma toda essa situação é boa, por que eu achava que eu estava perdida, que nunca jamais eu amaria novamente, que eu estava destinada a viver com um coração duro, quase impenetrável, mas agora eu sofro, dói e não é só uma dor sentimental, é uma dor física, coisa que eu nem sabia que poderia sentir, ou que existia.

Hoje eu ouvi aquela música do Queen “Love of my life” que pipocou na timeline por causa do Rock in Rio e eu prestei atenção na letra e puta que pariu, segurei forte a lagriminha aqui, mas ai eu lembrei que eu aprendi que tenho que ser forte, então, eu mudei a playlist e bora enfrentar a vida que segue.

04ago

O que os filmes podem nos ensinar sobre relacionamentos

still-of-jude-law-and-natalie-portman-in-closer--perto-demais-(2004)-large-picture

Natalie Portman e Jude Law em cena do filme Closer, de 2004

Sempre que alguém me pergunta qual meu gênero favorito de filmes eu respondo sem pensar: é o drama! Claro que eu adoro filmes de heróis, gosto muito de ficção e fantasia, mas tenho um amor muito forte pelo drama, pois é o gênero que chega mais perto da vida real, é aquele que mais se assemelha a nossa vida. Acredito os filmes dramáticos são as maiores verdades da vida.

E dentro do gênero drama, a categoria que mais gosto é relacionamento. Os filmes contam as nossas histórias amorosas, mostram nossas vidas na tela, apresentam personagem que já vivemos, eu acho isso tão incrível. E de tanto assistir filmes sobre relacionamentos eu acabei aprendendo algumas coisas e vou tentar dividir com vocês.

closer-filme

1. Não se ache o melhor mentiroso, pois alguém pode mentir mais que você.
No filme Closer, o personagem de Jude Law acredita que é o melhor mentiroso do mundo, porém ele descobre que Alice, vivida por Natalie Portman mentiu pra ele o tempo todo. Ele descobre que pouco do que ela disse, fora o sentimento que viviam, era verdade. O final do filme nos apresenta um Dan completamente despedaçado ao confrontar uma pequena verdade dentre tantas mentiras.

ponte-aerea_filme

2. Se quiser dizer eu te amo, diga!
Em Ponte Aérea, filme lançado esse ano, conhecemos a história de Amanda e Bruno, personagens de Leticia Colin e Caio Blat. O casal se conhece por acaso e entra numa relação forte e bastante fugaz, eles começam a fazer parte um da vida do outro até que notam que não tem nada em comum, porém até quando isso importa? O filme fala sobre nossa relação imediatista das coisas. Na história o casal vive uma fase de amor, porém sem nunca dizer a palavra “eu te amo” e quando tudo já acabou e, talvez, o sentimento não existe mais, eles se perguntam “por que nunca dissemos eu te amo um para o outro?”.

brilho-eterno_filme

3. Nunca tente esquecer ninguém a força, términos levam tempo e você tem que respeitar isso.
Olha só um dos meus filmes favoritos sendo tema de post no blog novamente e com uma das dicas que eu mais levo a sério. Na história de Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças, o personagem de Jim Carrey tenta, forçadamente, esquecer Clementine (a moça do cabelo colorido da Kate Winslet) após ela pagar uma empresa para esquecê-lo. Mas quando as memórias da amada começam a desaparecer, ele se arrepende e começa a colocá-la em várias situações de sua vida, sem saber que ela não estava em algumas delas.

begin-again-filme

4. Não deixe o sucesso subir a cabeça, chega um ponto em que você pode se arrepender.
Um dos filmes mais legais que vi ano passado já foi tema de post aqui também. A trama de Mesmo Se Nada Der Certo pode ser bobinha se você não passar da sinopse, mas se der uma chance para o filme não vai se arrepender. Na história temos a personagem da Keira Knightley, uma cantora e compositora que acompanha seu namorado Adam Levine até Nova Iorque, onde ele será lançado como cantor, ao atingir o sucesso ele muda radicalmente e acaba deixando a moça desamparada. Porém, como toda moeda tem seus dois lados, ele acaba se arrependendo ao notar que seu amor não está nas letras que está cantando. O filme não é sobre o personagem do Adam Levine, é uma história de recomeço da personagem de Keira Knightley e de um produtor musical falido vivo por Mark Ruffalo.

oladobomdavida-filme

5. Não deixe que o problema seja maior que seu relacionamento
Eu amo o filme O Lado Bom da Vida, é uma das “comédias românticas” mais legais que assisti nos últimos tempos. O filme conta a história de Tiffany e Pat, vividos pelos talentosíssimos Jennifer Lawrence e Bradley Cooper e nos apresenta uma lição de vida ótima. Sabe quando estamos com aquele problema que parece ser o fim do mundo e o colocamos no meio das nossas vidas, entre tudo e todos? É esse problema que Tiffany e Pat. Na trama do filme acompanhamos como eles lidam com esses problemas e como conseguem driblar de uma forma incrível, com bom humor, com esperança e união, esses problemas. A maior lição do filme é o fato de que seu relacionamento pode ser maior que seus problemas e isso é incrível, não é?

Plugin creado por AcIDc00L: bundles
Plugin Modo Mantenimiento patrocinado por: posicionamiento web