/ tristeza

14dez

Ninguém se importa

cadeira

Eu sempre fui muito boba em relação as minhas amizades e relacionamentos, eu sempre me preocupei demais, eu sempre fui a parte que cede, que não quer brigar, mas também vi que alguns casos eu sou a parte que se importa mais, e ver isso as vezes dá uma puta dor no coração.

São pequenas coisas, como por exemplo quando você sempre espera aquela sua amiga do trabalho pra almoçar no horário que ela precisa ou pra tomar café e num outro dia você observa que ela não faz questão de esperar caso você precise mudar de horário.

Também acontece quando um amigo te convida para fazer um programa e você sempre está disponível para curtir com ele, nos termos dele, mas quando o contrário acontece, a disponibilidade não é a mesma.

Não estou falando de grandes amizades, os exemplos acima são pequenas coisas que acontecem no dia-a-dia, relacionamentos que não são tão profundos, mas que são diários, necessários. Mas isso também acontece nos relacionamentos amorosos, quantas e quantas vezes você já fez o papel da pessoa que gosta mais? Convenhamos, sempre existe esse papel e claramente é a pessoa que mais sofre, mas também a que mais vive o amor.

E quando você faz questão de mandar mensagem, de avisar quando chega, de criar planos e pensar em lugares diferentes para ir no final de semana e de estar ali sempre disponível para o namoradinho, mas na verdade, ele nem está tão ligado assim? Ou não faz tanta questão? É difícil ser essa parte, é complicado tentar entender as pessoas, mas acredito que isso é reflexo de uma alta disponibilidade que no fundo é minha culpa, talvez eu devesse ser menos tranquila e pré-disposta, mas eu não sei mudar, quando eu gosto da pessoa, seja amigo, seja um amorzinho, eu quero agradar, eu quero ajudar, as vezes não funciona, mas quem se importa?

niguem

25nov

O desesperado e o disposto

Postado por às em Amor, Eu Você e Eles, Relacionamento
laviedadele07

Adèle Exarchopoulos em cena do filme Azul é a Cor Mais Quente, de 2013

[Você pode ler esse texto ao som de Flesh And Bone, do The Killers ♫]

Entrava novamente na Starbucks pensando qual seria o nome dessa vez, não ligava para o quanto isso era estranho, já fazia parte da minha vida e aqueles atendentes bacanas já sabiam o esquema, eu falaria o nome de um deles. Se alguém me observasse poderia achar que eu já entrava naquele lugar sabendo qual nome diria, sabendo qual história lembraria e qual capítulo da minha vida tiraria das lembranças e reviveria um pouco, mas não. Na verdade eu decidia isso na hora, enquanto olhava o cardápio das bebidas quentes, pois eu já sabia qual seria meu pedido e o tempo olhando pra frente era gasto pensando em qual seria a história daquele dia.

Decidi, peguei a bebida, olhei aquele nome desenhado no copo e sai. Nessa parte do dia uma trilha sonora diferente entrava em minha cabeça, claro que o fato de eu andar sempre com fones de ouvido ajudava a entrar no clima, afinal estava revivendo histórias. A música da vez era mais animada, em sua melodia, a letra como sempre era triste (95% das minhas musicas eram assim). E lá fui eu, andando disposto a reviver uma história em que o protagonista era um deles, só que eu preferia chamá-los apenas de “você”, era mais fácil e assim não precisava dar nomes. Se até os rostos estavam saindo da minha cabeça, por que eu deveria chamar pelo nome? Eu me sentia melhor quando mentia pra mim mesmo, dizendo que poderia ter esquecido algo.

Indo a caminho do trabalho, quando comecei a entrar naquela na história escolhida. Estávamos nos dois na mesma avenida, havíamos marcado de nos encontrar por lá, mas ao mesmo tempo não era um encontro, seria algo marcado que aconteceria por acaso, seria um acaso planejado. Quando te vi, fiz minha melhor atuação, como nunca tinha visto você eu poderia fazer de conta que não te vi, enquanto esperava que desse o primeiro passo, passei por você, fingi que não te vi e você deu o primeiro passo.

Demorei trinta minutos para entender você, saber qual era a história que seus olhos queriam contar e compreendi a tamanha solidão que o acompanhava. Você era um solitário e procurava desesperadamente algo que o tirasse disso, uma mão que o puxasse pra fora desse mar de tristezas que era sua vida. E lá estava eu, imóvel, sorridente e passando por mudanças tão gostosas. Eu estava disposto e você, desesperado.

Esse desespero virou amor e me consumiu. Eu não precisava de muita coisa quando estava com você, pois você queria me dar tudo. Você estava desesperado a ser alguém para alguém e eu estava lá sendo qualquer pessoa, mas ao tempo eu era eu. Nesse tempo que passamos juntos eu não menti, não fui outra pessoa. Enquanto você era uma pessoa que não gostava de si mesmo, que sofria por suas escolhas, que escondia suas vontades. Eu demorei em perceber isso.

Em trinta minutos eu entendi você, mas demorei anos para te compreender. Você foi embora sem dizer adeus, simplesmente partiu. Eu não compreendia, até chegar à conclusão que você conseguiu ser quem queria ser, conseguiu ultrapassar aquela tristeza que estava sob seus ombros quando te conheci, você conseguiu ser a pessoa que imaginava que seria, e hoje é completamente diferente daquela que conheci e fingi não ver.

Você passou por aqui e bagunçou tudo, demorei a voltar ao normal e ser aquele de antes. Mas eu não te culpo, talvez você estivesse me preparando para eles.

*Esse texto faz parte do projeto Eu, Você e Eles.

27out

O teu amor pra onde foi?

Postado por às em a vida como ela é
Cena do filme Her, de Spike Jonze

Cena do filme Her, de Spike Jonze

[Você pode ler esse texto ao som de Quem inventou o amor?, da Legião Urbana]

Tudo era mil maravilhas, meu bem pra cá, meu bem pra lá. Saíram alguns eu te amo e tudo parecia tão bem, aparentemente estávamos felizes morando juntos, tudo foi tão rápido, em alguns meses já estávamos bolando planos de casamento e até planejando a nossa festa juntos, a viagem de lua de mel.

Mas ai de repente você vira e diz que tudo acabou, que o amor que você declarou várias vezes não existia mais, pra onde será que ele foi? Será que esse amor ai foi apenas uma ilusão? apenas um profundo gostar de si próprio que saiu do teu corpo e dá um pulo em uma outra pessoa, mas logo volta para seu lugar de origem, o amor próprio?

Eu sei, talvez nós tenhamos sido muito rápidos né? Afinal, pra quem já está na nossa idade, pra que fazer joguinhos? Pra que fingir desinteresse? Eu não sei. Será que mesmo no auge da nossa vida adulta temos ainda que nos submeter a esses jogos de sedução onde um finge que não viu a mensagem no whatsapp e demora no mínimo 30 minutos para responder?

Mas também não consigo entender como o amor se esvai assim tão rapidamente, deixa o que no lugar? Você também não conseguiu se explicar, nem sabe dizer como isso aconteceu, conversamos e o melhor foi você partir, pegar suas coisas e sair da minha casa, da minha vida.

Talvez seja melhor procurar o amor que se foi, mesmo que encontre em outro colo, em outro sorriso que não seja o meu, por que assim como o seu amor não existe mais, o meu também jaz profundamente.

Enquanto a vida vai e vem
Você procura achar alguém
Que um dia possa lhe dizer
– quero ficar só com você

*Este conto faz parte de uma série de crônicas do a vida como ela é.

20out

Adeus tristeza, não volte mais!

Postado por às em Relacionamento

12

Eu estava fazendo uma auto análise de olho no meu comportamento esta semana, não sei por que cargas d´agua eu resolvi desenterrar duas coisas da minha vida nesta segunda feira: os cds de axé de 95, 97 e os cds da cantora mexicana Thalia, muitos já sabem, fui fã dela na minha adolescência, uma curiosidade pra quem não sabe, uma das minhas filhas chama Thalia, adivinha por que? Risos.

Eu fui e voltei para o trabalho todos esses dias ouvindo esses cds e me senti muito bem, observei que lembro de cada coreografia e também de cada letra dos 5 cds da Thalia que estão no meu carro. Eu não sei se vocês também são assim e observam o próprio comportamento, mas eu fiz isso e concluí que essa não é a primeira vez que faço isso, acho que toda vez que eu preciso me recuperar, me sentir bem esses dois pontos são importantes, não pelas músicas, mas acredito que por que foram momentos da minha vida que eu me senti feliz, em paz, sem muito peso nas costas.

Acho que essa foi a forma que eu encontrei de superar as coisas que eu sempre tranquei nos últimos tempos, que sempre deixei lá dentro. Eu gostaria de poder explicar melhor isso, acho que não consigo, mas o X da questão é que talvez, outras pessoas também recorram a um filme, um livro, uma série que a faça sentir-se assim, livre, leve e talvez seja um tipo de cura sentimental após algum trauma/tristeza/fim.

Conversei com um amigo pra ver se esse conceito existe mesmo ou é coisa da minha cabeça e ufa, eu não estou sozinha, ele me contou que também já ouviu relatos como esse e que até já viveu.

Acredito que isso é uma forma de nostalgia, voltar para o lugar seguro, idealizado, por que não sei se você já observou, mas nós geralmente imaginamos o passado ou maravilhoso demais ou dramático demais, a tendência é sempre idealizar para os extremos. No fundo o que importa pra mim é como trazer essas músicas, essas lembranças estão me ajudando a ficar mais contente, deixar a alegria voltar.

Pra finalizar eu me peguei hoje cedo cantando e pensando num trecho da música da Thalia e deixo aqui pra vocês:

Siempre hay cariño, siempre hay amor
aunque todo te parezca oscuro y sin color
adiós tristeza no vuelvas más
que en la vida no queda tiempo para llorar
adiós tristeza, no vuelvas más
que en la vida no queda tiempo para llorar
adiós tristeza, au revoir, goodbye
que para todo el que busca cariño,
cariño siempre hay

08out

4 dicas para esquecer ele ou ela…

Postado por às em Relacionamento
eternal-sunshine-of-the-spotless-mind-635x330

Cena do filme Brilho eterno de uma mente sem lembranças

Assim como eu disse nesse texto: ninguém é culpado pelo fim, mas esse é um momento difícil de passar não é? Reaprender a ser só, passar por inúmeros lugares em que estivemos juntos e lembrar de cada gesto ou de cada gosto, dói, mas certamente vai passar.

Acho que todo mundo que termina um namoro, um casamento acaba passando por isso e quando não existem mais saídas, esquecer é preciso, mas existem algumas atitudes que tenho que tomar para esquecer, para ajudar nessa difícil tarefa, pensando nisso, eu resolvi escrever esse post, pois eu tenho certeza que muita gente está nessa mesma situação ou tem um crush mal resolvido e fica naquela né?

brilho

  • Pare de Stalkear

Pois é, se você é uma viciada como eu em internet, redes sociais é bem complicado, certamente você faz uma “ronda” no instagram, no facebook, twitter e qualquer outra rede social que ele ou ela tenha. Pare imediatamente, essa é uma “atividade” que vai te fazer lembrar ainda mais e dar aquele aperto no coração.

  • Pare de olhar a última vez que ele ficou on line no whatsapp

Isso entraria no quesito acima, mas ele merece um trecho à parte desse nosso post, diz ai, quantas e quantas vezes você não fez isso? E quando ele aparece “on line” você fica lá, como se estivesse olhando diretamente pra ele… Acho que essa é a mais nova forma de auto flagelo, sério: arquive a conversa! O que os olhos não veem, ajuda o coração a esquecer.

  • Saia, ocupe a mente

Eu sei, todo mundo já deu essa dica e você na verdade só quer ficar na cama remoendo cada lembrança ou olhando as fotos e lembrando o quanto vocês eram felizes, ok passar uma semana assim, depois levanta a cabeça e bora viver, saia com os amigos, vai fazer uma hidratação no cabelo, vai te fazer ter menos tempo para pensar no fim, nos dramas.

  • Não se culpe

Ninguém tem culpa, não foi por que você gosta de Rihanna e ele de Metalica que o fim aconteceu, um relacionamento é feito por duas pessoas, por seus defeitos e qualidades, não existe uma única culpa, a não ser que ele ou você tenha ferido a ética determinada pelo casal.

Por fim, siga o seu rumo, se reinvente, no meu caso eu tento carregar as boas lembranças e lembrar o quanto nós fomos felizes durante e o quanto evoluí, quando eu me tornei uma pessoa melhor, o quanto aquela pessoa me trouxe de bom, obviamente também fazendo o exercício contrário, observando o que você agregou para ele, o legado que você deixou.

Plugin creado por AcIDc00L: bundles
Plugin Modo Mantenimiento patrocinado por: posicionamiento web