/ Amor

17nov

Eu esqueci você

500 dias com ela

Joseph Gordon-Levitt e Zooey Deschanel em cena de (500) Days of Summer, de 2009

[Você pode ler esse texto ao som de R U Mine, da Arctic Monkeys ♫]

Eu nunca quis esquecer você, para mim estar apaixonado por você era algo incrível. Eu viajava nos pensamentos, te colocando em todas as situações ao meu lado. Era ótimo ter aquele amor não concretizado bem aqui no meu dia a dia. Você, mesmo não estando presente, fazia parte dos meus dias, dessa minha história, estava até em meus planos. Eu imagina você comigo sempre que estava fazendo algo legal e, ao deitar na cama, pensava em você ao meu lado. Eu conseguia sentir seu cheiro.

Hoje eu não sinto mais o seu cheiro, nem me lembro da sensação de fazer carinho no seu cabelo. Seu sorriso tímido já não está mais na minha mente, eu ainda me lembro dele só que não lembro como ele é. Ao mesmo tempo que tenho muitas lembranças aqui, eu não tenho mais nada, nem os sentimentos. Por enquanto eu só tenho lembranças vazias de coisas que parecem ter acontecido em outra vida ou há muitos anos.

Te esquecer nunca foi minha intenção, eu briguei por esse sentimento muito tempo, eu queria continuar amando, queria continuar te colocando em toda minha vida, eu queria você. Mas eu decidi me querer mais ainda e nessa de amar mais a mim, eu parei de te amar. Hoje eu gosto de você, penso em você, tenho carinho por você, mas não é como da última vez, é menor, é suportável, é menos bonito e ao mesmo tempo é tão bom.

Antes eu daria tudo para saber o que se passava por sua cabeça, hoje eu não sei se gostaria. Na verdade eu não ligo mais. Hoje eu não te observo de longe, não sonho com você, não penso em ti ao acordar, não olho o celular a procura de uma mensagem sua. Acredito que estou livre de você, ou melhor, me livrando.

Na verdade eu tenho medo de ter perdido esse sentimento pra sempre, de não te amar nunca mais, de esquecer e não ligar para sua existência. Isso seria tão triste, né? Eu estava decidido a fazer isso, esquecer completamente e não olhar pra trás. Seria mais fácil que conviver com você. Seria mais justo (pelo menos pra mim). Mas não aconteceu assim.

Nesse momento estou parado e ao mesmo tempo estou vivendo minha vida e seguindo em frente. Estou vendo você seguir a sua vida e esperando que ela se cruze com a minha um dia, caso contrario nunca estaremos juntos novamente, pois eu não atravessarei pontes pra te ver, não agora e não como da última vez. Penso que fiz demais e não quero continuar fazendo. Não quero fazer nada.

Eu esqueci você e estou escrevendo um texto sobre isso. É mais ou menos como a música da Clarice Falcão, se é que você me entende.

12nov

Apenas uma noite

Postado por às em Amor, Eu Você e Eles, Relacionamento
Keira Knightley e Guillaume Canet

Keira Knightley and Guillaume Canet em cena do filme Apenas uma Noite, de 2010

[Você pode ler esse texto ao som de Modern Man, do Arcade Fire ♫]

Ele se arrumou, colocou a melhor roupa e tomou banho com aquele perfume caro. Estava carente, precisa de atenção e tinha a necessidade de ter alguém em seus braços naquela noite. Não sabia quem, só sabia que queria ser amado e sentir alguns momentos de carinho e afeto. Ao encontrar os amigos fez as piadas de sempre, bebeu, dançou, bebeu de novo. A companhia dos amigos o fazia muito bem e ele sabia disso. Eles eram muito animados e ele adorava aquela bagunça, mas isso não era satisfatório, ele precisava sentir aquele amor da carne, aquele amor que fere, que machuca e que cura a solidão pelo menos por alguns momentos.

Ele tentou o primeiro, o segundo e o terceiro. Não estava satisfeito, queria sentir aquele sentimento de adolescente e tentava – desesperadamente – encontrar um amor naquele lugar fechado, com música alta. Acreditava que a bebida ajudaria e ajudou. Não foi fácil, mas em algum momento estava ele nos braços de alguém, não sabia seu nome (ainda) mas sabia que havia acertado, que a noite seria boa e que aquela ficada na balada renderia. Mas o que ela renderia?

Foram para seu apartamento, não era tão longe chegar. Demorou apenas 10 minutos dentro de um taxi, onde conversaram sobre seus trabalhos, os amigos que o acompanhavam e sobre coisas bobas. Ele estava animado pra passar a noite acompanhado, fazia tempo que isso não acontecia.

Sam Worthington e Eva Mendes

Sam Worthington e Eva Mendes em cena do filme Apenas uma Noite, de 2010

Chegaram em seu apartamento, começaram a se beijar e tudo rolou como o esperado. Transaram, fumaram cigarros e transaram de novo. Depois foram para o banho e aquele sentimento de querer ver o amor e ter carinho, atenção e afeto foi indo embora. Após o sexo ele olhava para alguém desconhecido em sua casa e pensava “até quando seria assim?”, até quando ele procuraria o amor e o perderia depois do gozo final?

No outro dia, ele usou uma desculpa qualquer para a pessoa ir embora cedo, disse que sua mãe viria a sua casa, ou um de seus amigos estaria chegando de viagem, nem ele lembra na verdade qual foi a desculpa, mas conseguiu se livrar da visita indesejada.

Após uma semana, ele recebe uma mensagem da sua companhia daquela noite. Estava sendo convidado para um jantar. “Jantar?”, pensou ele. Como poderia baixar a guarda ao nível de passar duas horas encarando uma pessoa que não conhece? Como poderia fazer piadas e conversar sobre a vida com alguém desconhecido? Como poderia comer e conversar com aquela pessoa? A resposta foi uma negativa invasiva, ele inventou uma desculpa. Como poderia aceitar esse convite? Foi só uma relação de uma noite, pensava ele após digitar uma resposta qualquer e tirar a pessoa da sua vida.

No final de semana seguinte, ele escreveu uma mensagem para seus amigos convidando-os para a próxima festa, ele estava precisando de companhia e não queria passar a noite sozinho. Ele não sabia lidar com as pessoas, mas também não sabia lidar com si mesmo. Ele não sabia de nada.

26out

A importância de ficar sozinho

Postado por às em Amor, Eu Você e Eles, Relacionamento
greys-anatomy-temp11

Ellen Pompeo em cena da série Grey’s Anatomy, criado por Shonda Rhimes

[Você pode ler esse texto ao som de Hello, da Adele]

Essa semana eu cantei junto com Damien Rice em seu show em São Paulo. Foi um dos sonhos que realizei, ele estava lá há poucos passos de mim cantando as músicas que já me fizeram chorar muitas vezes. Sou apaixonado por esse moço e por suas musicas há muito tempo. E se você costuma ler esse blog com frequência, sabe que muitas das músicas que indico aqui são dele, diferente da música de hoje.

Comecei esse post falando sobre o show do Damien Rice, pois uma das entrevistas dele, enquanto estava no Brasil, foi sobre a importância de ficar sozinho. O irlandês conhecido mundialmente por The Blower’s Daughter (do filme Closer), disse que “ficar sozinho é tão importante quanto dormir” e eu concordei tanto com isso que decidi tornar isso um episódio de hoje aqui no blog. Damien Rice ficou muito tempo sem lançar músicas novas e sem sair em turnê, ele se escondeu da vida e ficou sozinho, criando uma nova pele, ou se moldando para uma nova vida. E eu estou mais ou menos nessa fase.

Eu não vou sumir, não deixaria os amigos e família de lado, não irei para a Islândia. Eu só estou sozinho, lidando com aquela nossa insustentável leveza e criando coragem para partir para outra. Há algum tempo e tomei algumas decisões que estão me levando para uma nova fase. Depois de 28 anos, finalmente eu me conheci. Agora conheço todos os meus defeitos e sei muito bem o quanto sou perfeito em algumas coisas. Parei para pensar na minha vida e em tudo que eu poderia e quero fazer e tomei decisões. Uma delas é finalizar todas as coisas que estão abertas, decidir todos os passos que posso decidir e aqueles que não tenho poder, deixar de lado. Nessa fase da vida eu não quero que alguma indecisão me prenda, eu quero trabalhar com as coisas certas, mesmo que isso me faça ficar sozinho. E se eu ficar sozinho, não terá nenhum problema.

carrossel-greys

Eu demorei muito tempo para me conhecer e tomar decisões. Parece que quanto mais o tempo passa mais estamos ficando maduros, mesmo sendo os bobos de sempre. Hoje em dia aquelas frases clichês que tanto me faziam rir, estão fazendo sentido. Até o título desse post faz um sentido que não faria para o Jader de 5 anos atrás. Aquele cara não entenderia nada que esse moço escreve aqui, ele precisou ficar sozinho e aprender o quanto isso é importante. Ele precisou amar mais o outro do que a si próprio para entender o quanto isso é errado, o quanto é burro colocar a vida de alguém – que não te quer – na frente da sua. Agora, ele olha pra trás e sorri para aquele menino que errou diversas vezes ao acreditar que “dessa vez é o amor verdadeiro” e ir com tudo.

Claro que vou continuar errando e quando acreditar que é real irei sem medo. Mas irei sabendo como as coisas são, pois não estou desacreditado do amor, pelo contrário, eu acredito muito. Mas eu acredito em mim e acredito que ninguém precisa se prender a alguém para ser feliz. Passei tanto tempo sozinho sendo feliz, que não tenho pressa em encontrar o amor da minha vida. Eu não procuro mais, na realidade eu procuro ser feliz comigo mesmo. Ser feliz no meu dia a dia e entender a importância das minhas escolhas.

Às vezes precisamos passar um final de semana trancados em nossas casas, fazendo algo que queremos fazer mas “estávamos sem tempo”. Esse último final de semana eu fiz isso e lembrei o quanto gostava de assistir Grey’s Anatomy. Essa série me faz chorar de um jeito tão lindo e me deixa numa paz tão grande. Ontem estava eu aprendendo com as lições da série e concordando com frases da Shonda Rhimes (aquela assassina!). Esse tempo que me dei, mesmo sendo pouco, é tão precioso. Em 2011, viajei sozinho para a Europa e fiquei 60 dias passeando por quatro países, conhecendo pessoas novas, visitando novos lugares e ficando comigo mesmo. Foi tão incrível que me pego pensando em fazer isso novamente, ficar sozinho em países que não conheço, ver coisas novas sozinho, apreciar a vista com meus olhos e guardar aquilo pra mim. Penso ainda que seria bem melhor que da outra vez, pois hoje sou alguém um pouco melhor.

Acredito que antes da gente se apaixonar por alguém e conhecer uma pessoa a fundo, temos que nos apaixonar por nós mesmos e nos conhecer muito bem. É um passo muito importante para ser feliz.

19out

Por que nós desistimos facilmente?

Postado por às em Amor, Relacionamento

Keira Knightley e Andrew Lincoln em cena de Simplesmente Amor, de 2003

[Você pode ler esse texto ao som de Same Mistake, do James Blunt ♫]

É muito claro que a geração dos nossos pais é muito diferente da nossa, enquanto eles eram mais acostumados com o dia-a-dia, a realidade e aceitavam mais o rumo da vida, nós somos inquietos, trocamos de emprego com frequência e amamos muito mais. Estava pensando nisso, no “amar muito mais” que estamos acostumados, em todos os relacionamentos que tive, todas as paixões que me encheram o peito e também nos relacionamentos de amigos e notei que nós desistimos tão rápido.

Isso não é exclusivo de relacionamentos, é em todas as áreas, só que me incomoda muito lidar com isso na parte dos relacionamentos, sabe? Parece que não temos tempo para esperar que as coisas fiquem bem, que não temos paciência ou jogo de cintura. Queremos que tudo aconteça tão rapidamente e no final nada acaba acontecendo. Enquanto queremos ganhar tempo, acabamos perdendo tudo. Eu acho triste.

Já imaginou quantos relacionamentos você deixou passar por desistir fácil? Talvez a pessoa tinha uma característica X que você não gostou e foi embora. Talvez os gostos fossem diferentes e você acabou indo embora. Talvez você não se sentia bem com os amigos dela e decidiu partir. Tem tantos motivos que nos fazem desistir de relacionamentos, motivos que parecem muito sérios no momento da decisão, mas acabam sendo bobos no futuro.

simplesmente-amor-filme

Andrew Lincoln em cena de Simplesmente Amor, de 2003

Eu já falei aqui no blog sobre ser a ponte de alguém, falei que havia decidido que não faria mais isso, que não seria aquele que leva uma pessoa para o outro lado, para que ela fique bem. Sim, eu não quis ajudar uma pessoa. E depois vi que fui burro, fiz algo baseado em uma experiência anterior que me fez “perder” aquela pessoa. Eu decidi desistir facilmente pois o cara que eu ficava não era assumido e eu já tive problemas com isso e não queria repetir o problema. Só que um dia ele me disse “você poderia ter me ajudado e não ajudou”. Eu não me arrependo de ter desistido, sabe? Mas poderia ter acontecido algo tão legal nessa relação e eu acabei perdendo tudo. E o pior de tudo é que nós não aprendemos.

Esses dias eu postei no Twitter algo que me fez rir muito, algo bobo e meio triste. Eu publiquei que minha vida era uma música ruim do James Blunt, essa mesmo que eu indiquei no post pra vocês lerem. Parece que a todo o momento estamos querendo uma segunda chance, mas sempre cometemos os mesmos erros. A gente desiste do relacionamento, desiste do amor, das histórias que poderíamos viver e acabamos cometendo os mesmos erros de novo.

Sabe quando você pediu aquele tempo para seu namorado (a) e ficaram aqueles dias sem estar namorando, mas voltaram depois? Você não parou de pensar no que ele (ou ela) fez durante esse tempo que ficaram separados, aquilo te corroeu e te deixou paranoico, você chegou e perguntou se “aconteceu algo enquanto não estávamos juntos” e a resposta fez você desistir. Pensa como é burro isso? Você deu espaço (ou pediu espaço) e não gostou do que aconteceu durante esse tempo e isso fez com que você desistisse de tudo. É louco né?

Parece que nós não estamos contentes com o que temos, sempre queremos mais e no final acabamos cometendo os mesmos erros, fazendo as mesmas escolhas e desistindo fácil. Queremos morrer de amores como os autores das músicas que gostamos, dos filmes que assistimos e dos livros que a gente lê, mas desistimos desse amor.

Hoje eu não queria desistir de nada, mas a história vai me levando a tomar essa decisão. Como diz Damien Rice em The Professor “Here’s to another relationship…“.

07out

Dois filmes, uma história de amor

Postado por às em Amor, Filmes, Relacionamento
encontros_e_her

Joaquin Phoenix em cena do filme Her (Ela), de 2014 e Scarlett Johansson em cena do filme Encontros e Desencontros, de 2004.

[Você pode ler esse post ao som de The Moon Song, nas vozes de Scarlett Johansson e Joaquin Phoenix ♫]

Assisti ao filme Encontros e Desencontros há muito tempo, mas por influência de um ex revi o filme. Na primeira vez que vi, o filme não havia me chamado atenção, acredito que deve ter sido pela minha idade ou pela pouca bagagem, mas da segunda vez fiquei enlouquecido e agradeci, silenciosamente, o ex (que já tinha ido embora) por ter insistido que eu assistisse ao filme novamente. Essa segunda vez foi logo depois de ter visto Her nos cinemas, filme que chegou direito ao meu top 10 e permaneceu lá, bem ao lado de Encontros e Desencontros que fiz questão de arrumar um espaço e colocá-lo entre os meus favoritos.

lostintranslation8

Bill Murray em cena do filme Encontros e Desencontros, de 2004.

Há uns dias atrás, estava meio cabisbaixo e entrei no Tinder. Entre os “sim” e os “não” estava um moço bonito que ganhou meu “sim”. Eu não estava com vontade de sair com ninguém, mas ele insistiu e me propôs um jogo de pontuação, com perguntas e respostas. Achei incrivelmente bobo mas muito divertido e topei. Ele deveria fazer 5 perguntas e somar ao final os meus pontos (e eu deveria fazer o mesmo), mas as perguntas foram tão legais que na quinta ele disse “pergunta valendo 1 milhão: vamos pro bar agora?”, eu ri e disse “vamos”. Agora vocês estão pensando o que essa história tem com os dois filmes citados acima? Nada. A história não se parece com os filmes, foi apenas um date. Porém, o moço em questão era fã dos filmes da Sofia Coppola, mas ainda não sabia que ela foi casada com o Spike Jonze e que Encontros e Desencontros foi feito sobre a relação deles e a resposta de Jonze foi o filme Her. Quando falei isso pra ele, logo soltei “enquanto a gente posta indiretas no Twitter, eles fizeram filmes, um trabalho de anos, para tentar dar uma reposta ao outro“. É incrível, isso não é?

Deixei o moço bem pensativo durante o date, ele começou a ligar as duas histórias e disse “porra, que incrível!”. Nós não ficamos, não nos vimos mais, não nos falamos mais. Não era realmente para ter acontecido nada, foi só uma boa companhia ocasional para conversar sobre filmes bebendo cervejas. E nessa conversa eu contei o meu ponto de vista sobre os dois filmes e sobre o relacionamento, difícil de superar, de Sofia Coppola e Spike Jonze. Que vou dividir aqui com vocês.

her

Joaquin Phoenix em cena do filme Her (Ela), de 2014.

Encontros e Desencontros é aquele filme triste, que bate na gente, sabe? Você assiste e logo liga aos seus relacionamentos anteriores pensando em como as coisas não podem voltar a ser como eram antes e em como devemos aceitar que não é uma derrota, foi uma vitória, por um tempo foi uma vitória. No filme, somos apresentados aos personagens de Bill Murray e Scarlett Johansson. Ele é uma estrela de cinema que está em Tóquio para fazer um comercial, ela está na cidade acompanhando seu marido, um fotógrafo que a deixa sempre sozinha (#foreveralone). Eles sofrem com a mudança de horário e não conseguem dormir, por isso se encontram por acaso no bar do hotel e em pouco tempo se tornam amigos. Mas a amizade eles é um tanto diferente, é um amor instantâneo, sabe? Algo que a gente precisa viver sem nem saber o motivo. Eu acredito que ali nasceu um amor, mas um tipo diferente de amor, aquele que só sobreviveria em Tóquio, eles poderiam se encontrar em outro lugar? Poderiam, mas viveriam a mesma história? Dificilmente. Seria essa mensagem que Sofia Coppola quis passar no filme para Spike Jonze? Que a relação deles como era antes não poderia existir em outro lugar? Outro momento? Triste isso, não é? Triste e lindo.

lostintranslation9

Scarlett Johansson em cena do filme Encontros e Desencontros, de 2004.

Agora vamos andar 10 anos no tempo. Em 2014, o diretor Spike Jonze lançou o filme Ela (Her), com Joaquin Phoenix e Rooney Mara. O filme nos apresenta a história do solitário Theodore, um escritor de cartões que se apaixonada pelo seu novo sistema operacional, que ganha a vida pela voz de Scarlett Johansson. Ele é separado, mas se recusa a assinar os papéis e deixar a ex livre. O filme nos apresenta a história do homem com a tecnologia, mas principalmente a história sobre nossas relações. Enquanto Theodore se encanta por sua namorada, que é um sistema operacional, ele não aceita a separação, foge da realidade. Ele quer viver os tempos que passou com ex, quer repetir aquilo. Tema usado por Sofia Coppola em Encontros e Desencontros. Enquanto Jonze quer voltar atrás e viver novamente aquele sentimento no filme Her, ela sabe que nunca será igual. Eles nunca terão a mesma relação.

Ao final de Her, o personagem de Joaquin Phoenix lê uma carta para sua ex, que funciona como um pedido de desculpas. Nesse momento do filme a voz (incrivelmente bela) de Scarlett Johansson, que deu vida ao programa de computador, já havia partido, Theodore havia sido deixado pela segunda vez e decidiu aceitar a primeira separação, mesmo ainda amando sua antiga esposa.

Dear Catherine,

I’ve been sitting here thinking about all the things I wanted to apologize to you for. All the pain we caused each other. Everything I put on you. Everything I needed you to be or needed you to say. I’m sorry for that. I’ll always love you ’cause we grew up together and you helped make me who I am. I just wanted you to know there will be a piece of you in me always, and I’m grateful for that. Whatever someone you become, and wherever you are in the world, I’m sending you love. You’re my friend to the end.

Love,
Theodore.

É tão lindo pensar que essa carta na verdade era de Spike Jonze para Sofia Coppola, falando sobre o amor que viveram, sobre nunca esquecer do amor que sentiam e sobre amar para sempre, mesmo sabendo que os dias de amores passados nunca voltarão.

Plugin creado por AcIDc00L: key giveaway
Plugin Modo Mantenimiento patrocinado por: posicionamiento web