/ Relacionamento

08set

Geração 2, 3 anos

Postado por às em Relacionamento, Trabalho

mulher-desesperada-24803A moda agora são os textos e mais textos sobre felicidade no trabalho, sobre largar tudo e ir viajar, largar tudo e empreender ou fazer parte da maioria e ficar preso no escritório lendo essas matérias e sonhando com a liberdade, mas será que estamos frente a uma crise grupal? Uma crise de identidade em que muitas das pessoas que eu conheço raramente respondem que amam o trabalho, acho que 80% não curte o que faz e largaria tudo para seguir um sonho, não sei.

Eu já escrevi sobre insatisfação no trabalho e sobre crise, mas venho amadurecendo a ideia de que tudo isso é uma fase e ou se aceita ou se toma uma posição de mudança, seja para outro emprego ou seja para o empreendedorismo, mas também muitas vezes me pego pensando, será que ao entrar em um emprego novo, daqui a 2, 3 anos a sensação e cansaço interminável, de frustração não vai voltar? Afinal você já deve ter ouvido de algum colega de trabalho: “todo lugar é a mesma coisa”, não sei.

E nos relacionamentos? Uma fragilidade se instalou, uma dificuldade de se relacionar tão grande, e quando o namoro finalmente acontece, passam-se os 2, 3 anos e começa a bater aquela sensação incômoda, onde o que no início era uma beleza, agora já é irritação, quando você achava bonito ela dormir toda esparramada na cama e hoje você quer matá-la toda vez que ela passa alguns milímetros do espaço delimitado para cada um na cama.

Será que a vida é assim mesmo? De tempos em tempos temos que descartar as relações emocionais e trabalhistas que não nos convém mais? Será que essa sensação não vai passar nunca? Não sei.

Será que existe vida e bons frutos depois dos 2, 3 anos de trabalho ou de namoro? Devemos nós insistir nessas relações? Devemos ser mais pacientes? Não sei.

07set

Não podemos nos perder

012-harry-and-sally-theredlist

Billy Crystal e Meg Ryan em cena de Harry e Sally – Feitos Um para o Outro, de 1989.

[Você pode ler esse texto ao som de Janeiro, do SILVA]

Há muito tempo estamos nessa relação estranha, onde os dois se gostam e andam por caminhos diferentes. Há muito tempo nos gostamos, guardamos segredo com medo de contar para o outro e mostrar nossa fraqueza. Há muito tempo tenho sido burro pois o medo de te perder faz com que eu não tenha nada, ele é a causa do nosso distanciamento.

Demorei demais para perceber isso e chegar  na simples conclusão: eu escolhi você. Não escolhi numa prateleira, muito pelo contrário. Te escolhi aqui do meu lado, olhando para tudo que vivemos e tudo que somos. Ao mesmo tempo que eu estava excitado com tudo que sentia, morria de medo e pensava em como te dizer isso, o medo de perder o que tínhamos era maior que o sentimento que eu tinha por você. E isso me fez entender o quanto eu estava errando em não decidir pelo óbvio. Você é óbvio, é tudo que eu sempre quis há muito tempo e estava aqui pra mim.

As pessoas falam que o amor é cego e eu até acredito nisso, mas eu quero que você saiba que mesmo ele sendo cego, hoje enxergo tudo com uma claridade tão perfeita. Por isso não quero ver o passado como um tempo perdido, quero tirar uma lição de tudo que passou para viver os nossos próximos passos. Dessa vez, eu não quero que você seja um episódio da minha vida, quero você como um capítulo completo, como uma história sem final, quero você de verdade.

Já te contei tudo que escrevi acima mas ainda acho que você não acredita em mim, nessa minha mudança repentina, mas a verdade é que não foi uma mudança, foi mais um acordar. Não te contei antes, pois não sabia como fazer isso, era confuso e eu precisava esperar o tempo certo, não queria errar com você ou comigo. Hoje, te dou um tempo que precisa, mas penso que não devemos demorar para começar essa história, pois podemos nos perder no caminho.

Hoje eu não tenho mais medo, você não sabe mas já falei isso em voz alta e já dividi essa minha excitação com algumas pessoas e estou tão feliz por isso. Espero que nada mude o que estou sentindo agora, pois me deixa com uma sensação tão calma, tão leve.

O orgulho que me fez esconder o sentimento durante todo esse tempo foi embora e espero que ele não tenha atrapalhado muito a nossa relação, pois hoje estou aqui pra você e por você e nada vai atrapalhar isso. Hoje aposto todas as minhas fichas na gente e espero ganharmos muito com isso.

Não sei por que demorei tanto para perceber que somos um do outro, que somos uma dupla incrível, mas eu percebi e agora posso dizer com todas as letras que te quero e te espero. Só peço que não demore pra ver que tudo isso é real e que a felicidade está na nossa frente, disposta e disponível.

Esse texto faz parte do projeto “Eu, Você e Eles“.

01set

Temos que aprender a conjugar o verbo amar

jovens adults

Charlize Theron em cena do filme Jovens Adultos, de 2011

[Você pode ler esse texto ao som de Cannonball, de Damien Rice ♫]

Você já chegou naquele ponto em que faz a escolha certa, mas percebe que o contador do tempo já zerou? Tipo, você decidiu por algo que não está mais disponível? Fez a escolha certa na hora errada?

Esses dias, após uma conversa com uma amiga, eu postei uma frase no Facebook que me fez pensar por muito tempo e que pode se encaixar muito bem no ponto que quero discutir com vocês hoje. A frase foi a seguinte “Temos que aprender a conjugar o verbo amar para não errarmos no tempo“. Depois de postar essa frase eu pensei em todas aquelas oportunidades que foram embora, todas aquelas repostas ditas depois do “PIIIIII” que indicava que o tempo havia acabado.

Eu sempre brinquei que a música do The Killers, Mr. Brightside, era minha. Na verdade ainda brinco e continuo achando isso. Mas ao mesmo tempo em que sou o senhor otimismo eu também sou aquele pessimista, principalmente quando estamos falando de relacionamentos. Sempre penso que continuarei cometendo os mesmos erros. Errando no tempo de amar, de dar as chances e de fazer as coisas acontecerem.

Há alguns anos eu estive presente na vida de uma amiga que era apaixonada por um cara X, que era lindo, mas era uma pessoa ruim. Ao mesmo tempo em que ela estava apaixonada por ele, um cara Y estava apaixonado por ela, que não gostava dele. Ai você me pergunta o que ela fez e o que eu faria, só de pensar na minha escolha eu fico triste, pois eu escolheria o mais difícil, acreditaria na mudança. O que ela fez? Acertou no tempo.

Eu sempre pego exemplos assim para tentar melhorar esse meu sentido para as coisas. Eu não quero mais errar no tempo e depois descobrir o tamanho daquela burrada. Mas existe algo dentro de mim que faz com que o tempo seja o maior inimigo. O fato é que eu quero logo ou quero tarde e isso complica tudo. Mas como posso aprender a calibrar meu lado emocional?

Realmente não faço a mínima ideia de como fazer as coisas no tempo certo e mesmo não aceitando completamente isso, vou tentar levar em consideração que o contador já zerou, não é minha culpa. Na verdade a culpa não é de ninguém, faz parte da vida. Agora eu volto no tempo e confirmo um outro assunto que joguei aqui no blog: a vida é uma canção triste.

28ago

Nossa relação não deu certo porquê nunca tentamos

o-LOST-IN-TRANSLATION-facebook

Bill Murray e Scarlett Johansson em cena do filme Encontros e Desencontros, de 2003

[Você pode ler esse texto ao som de Cosmic Love, da Florence and the Machine ♫]

Essa semana eu estava assistindo um filme ruim (às vezes adoro assistir filmes desse tipo, que é entretenimento bobo e puro) e me deparei com uma situação que até compartilhei com o pessoal no meu Snapchat. No filme os dois personagens se gostavam e a situação estava clara para os dois. Não era só – como espectador – que via aquilo. Eles estavam apaixonados, sabiam disso, mas não contavam um para outro.

O mais estranho disso tudo é que eu já tinha me deparado com situações como essas em filmes, séries e até em novelas e pensava “o ser humano é muito egoísta para situações assim serem reais“. Achava que você gostar e ser gostado de volta era tudo que precisaríamos para o “feliz para sempre“, mas eu não poderia estar mais enganado.

Depois de 28 anos de caminhada eu enxergo como as pessoas, incluindo eu, somos orgulhosos. Acho que principalmente a minha geração. Você vem antes do outro, é sempre assim. Eu venho antes de você e se acreditar que sofrerei, não me envolvo. Simples assim, eu não tento. Eu me acovardo antes mesmo de ser atingido. Imagina só alguém perder a guerra sem ter lutado? É assim que estamos jogando. Não que seja um jogo (eu odeio jogos), mas é um jeito de dar um nome a essa forma de relacionamento.

encontros-e-desencontros

Quero compartilhar com vocês aqui que eu sempre vou pensar em mim antes de tudo e sempre vou me acovardar com medo de tentar, vou desistir. Aconteceu isso comigo há tempos atrás e tenho certeza que acontecerá novamente, mas hoje sei que isso tem resultados tristes. Eu, que agora parei para escrever sobre isso e estou ciente de tudo que esse tipo de jogo pode resultar, posso tentar fazer escolhas certas e me proteger menos nas próximas vezes. Mas a pergunta que fica é: será que consigo?

Esses dias, falei para uma pessoa algo tão real e tão triste sem pensar no quanto aquilo era forte e significativo e depois fiquei pensando sobre como as coisas que falamos podem ecoar dentro de nós mesmos. A frase foi a seguinte: “eu adoro você, mas eu me adoro muito mais“. Com essa frase eu mostrei o quanto covarde eu sou, baixando as armas, perdendo a guerra pra mim mesmo. Eu praticamente disse “não vou tentar, não vou sofrer” e assim adiantei um sofrimento mesmo que pequeno.

Se relacionar é complicado demais, mas eu prometo pra mim mesmo (e pra vocês!) que tentarei ser mais fiel aos meus sentimentos e não jogarei fora algumas oportunidades que poderiam ser legais. Tenta também.

É incrível escrever sobre nossos sentimentos né? Quando comecei a montar esse tema eu não sabia que conseguiria dominar e trazer os episódios da minha vida para o contexto da história desse post, mas consegui. Sempre penso que as pessoas que fizeram parte desses meus episódios se verão em meus textos e fico muito envergonhado, mas escrever me ajuda.

26ago

Precisamos falar sobre traição

Postado por às em Amor, Relacionamento
closer-clive_oven

Clive Owen e Natalie Portman em cena de Closer, de 2004.

Você pode ler esse texto ao som de I Don’t Want To Change You, do Damien Rice.

Esses dias estava esperando o metrô e fiquei escutando a conversa de duas pessoas, o homem dizia para a mulher “terminei com ela antes que ela descobrisse que eu estava com outra, acho que foi mais fácil“, a mulher concordou e disse “sim, um dia todo mundo acaba descobrindo a verdade. O bom é que você terminou antes, ela vai sofrer mas não saberá que foi trocada“. Ao escutar essa conversa me bateu uma tristeza tão grande. Aposto que o homem terminou com a moça citada na conversa falando que “o problema não é você, sou eu” e com certeza ela ficou pensando “o que eu fiz de errado?“, pois quem fica sempre vai se perguntar isso, principalmente quem é “trocado“.

Eu já fui traído mais de uma vez, até onde sei. Aliás, eu já descobri que fui – durante quase um ano – o outro, fui o “pivô de uma traição”, sem saber e ainda acreditando que era o único. Já descobri que o cara que estava comigo deu match com um amigo meu no Tinder, e o amigo fez questão de me mostrar. Já estava jantando com um namorado enquanto ele estava respondendo alguém nesses aplicativos de paquera. Foda, né?

Traição é definitivamente uma das coisas que eu não sei lidar, não existe uma saída que te deixe bem no momento. Você pensa em tudo que poderia ter acontecido para chegar nisso, tenta entender o motivo e tenta que lidar com a vergonha que sente. Claro que a vergonha deveria ser do lado que trai, mas não é assim no mundo real. Ela fica com gente, guardada dentro de um caixinha. E às vezes nem conseguimos contar pra ninguém.

Tem algumas pessoas na minha vida que sabem de tudo, conto sempre minhas vitórias e minhas derrotas, mas nunca consegui contar algumas traições. Eu me sentia envergonhado e patético, era tão triste que não queria falar isso em voz alta. Parecia que ao externar aquela situação eu seria traído novamente e por isso fiquei quieto.

Hoje não tenho mais vergonha de falar sobre isso, principalmente por que já passou. Acredito ainda se isso acontecer novamente, eu tentarei lidar com isso de uma forma adulta, mas mesmo assim ficarei com vergonha. É complicado. É difícil você encarar que aquela pessoa que dividiu tanta coisa com você, estava fazendo isso ao mesmo tempo com outras.

O pior de tudo é que o traído, tal como o ausente (fiz um texto sobre isso aqui), é personagem que sofre, que fica, que sente vergonha e que chora. Mesmo que essa vergonha não devesse existir.

Acredito que eu, você e todos os outros deveríamos ser claros com nossos sentimentos e com todas as pessoas que nos relacionamos. Eu não sou nada careta, sei que atualmente existem várias formas de relacionamentos onde três e quatro pessoas juntas formam um “par”, mas a partir do momento que você não sabe que existe outra pessoa e você não aceita isso, as coisas complicam.

As pessoas deveriam ser mais sinceras. Só isso.

Plugin creado por AcIDc00L: key giveaway
Plugin Modo Mantenimiento patrocinado por: seo valencia
Episódios de Hoje